Vários municípios alentejanos juntaram-se à iniciativa Mãos à Obra, que decorrerá dia 22 de setembro (domingo) pelas 10h, entre eles Vila Viçosa, Borba, Redondo e Estremoz.

O Mãos à Obra é um projeto que pretende fazer uma limpeza de Portugal de norte a sul do país e sensibilizar a população para o problema da poluição, contando já com mais de 80 grupos de jovens.

A Rádio Campanário falou em exclusivo com Jéssica Gonçalves, jovem calipolense de 19 anos, responsável pela iniciativa no concelho de Vila Viçosa.

Jéssica começa por explicar que a iniciativa Mãos à obra “é um projeto solidário que partiu da ideia da Inês Durão e consiste na limpeza geral de Portugal.

A jovem conta que depois de ter conhecimento da iniciativa através “do instagram”, decidiu “inscrever-se e realizar a iniciativa aqui em Vila Viçosa”.

As atividades “vão acontecer no dia 22 de setembro”, no entanto Jéssica refere que “faremos uma análise a como decorre este dia, no entanto temos ideia de aumentar o número de dias e as áreas abrangidas”.

Questionada pela RC sobre as motivações para abraçar e liderar esta iniciativa, a jovem refere que “sou preocupada com o ambiente e foi isso que me fez aderir ao movimento”.

A jovem refere aos nossos microfones que “já são imensos concelhos do continente e das ilhas que aderiram a este movimento”.

Relativamente aos esforços no concelho de Vila Viçosa, Jéssica Gonçalves refere que “a mobilização foi através das redes sociais”, especificando que “primeiro divulguei a iniciativa nas redes sociais, os interessados devem dirigir-se a mim ou contactar-me para que eu os posso colocar num grupo do WhatsApp onde serão fornecidas mais informações”.

A jovem conta aos microfones da RC que “só me apercebi das problemáticas ambientais faz muito pouco tempo”, explicando que “as imagens de praias cada vez mais sujas, florestas em completa destruição levam-me a pensar como é que este mundo pode estar assim?”.

“Temos que nos juntar e movimentar para que possamos mudar o mundo”
Jéssica Gonçalves

Naquilo que concerne aos horários e programa da iniciativa no domingo, Jéssica refere que “a concentração será pelas 10H00 junto ao mercado municipal, depois iremos para a zona de peixinhos e da cruz vermelha, seguindo-se o parque industrial que é uma das zonas mais sujas de Vila Viçosa”.

Em termos de participantes, “temos 16 jovens inscritos e contamos também com alguns adultos”, no entanto “toda a gente que queira participar, mesmo sem inscrição, basta estar junto ao mercado municipal de Vila Viçosa pelas 10H00”.

Jéssica Gonçalves refere que “todos serão bem-vindos”, convidando todos a participarem por um Portugal mais limpo.

A iniciativa conta com o apoio da Câmara Municipal de Vila Viçosa “que irá fornecer sacos e luvas, e pelas 14H00 irão juntar-se a nós com viaturas para recolher todos os sacos que recolhermos”, adianta Jéssica.

A problemática das beatas também não é esquecida por este movimento, “iremos levar garrafas onde iremos colocar todas as beatas que encontrarmos e iremos enviar para Coimbra”, uma vez que “as beatas recicladas servem para fazer tijolos”, acrescentando ainda a jovem que “parece-me bem que sejam aplicadas coimas a quem deitar as beatas para o chão”.

A jovem termina a sua intervenção aos nossos microfones referindo que “todo o staff do mãos à obra tem recolhido muita informação sobre as preocupações ambientais e tem divulgado essas imagens, para que todos se apercebam do real estado do planeta”.

A ADRAL – Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo e o IPP – Instituto Politécnico de Portalegre, assinaram dia 18 de Setembro de 2019 um protocolo de cooperação.

Com a celebração deste protocolo pretende-se um trabalho em rede e de maior proximidade e compromisso que permitirá a realização e participação em projetos conjuntos, em prol da região.

A atração ao território de empresas, investimento e a fixação de pessoas, bem como a sua qualificação assumem particular relevância no trabalho a realizar. A partilha de recursos e a possibilidade de utilização de espaços sob gestão de ambas as instituições, nomeadamente a representação em Bruxelas está de igual forma acautelada.

Este protocolo resulta da dinâmica de ambas instituições e de um trabalho concertado que pretende e justifica maior proximidade entre os diferentes atores regionais.

Para além do presente protocolo, a ADRAL está a preparar a realização de novos protocolos e parcerias com outros atores públicos e privados do Alentejo.

Decorrente da celebração deste protocolo de cooperação, preconiza-se a possibilidade de a muito curto prazo, o Instituto Politécnico de Portalegre passar a ser também acionista da ADRAL, ficando a Agência a contar no seu corpo acionista com todas as instituições públicas de ensino superior do Alentejo.

O reconhecimento do trabalho, missão e atual estratégia da ADRAL de afirmação da região no espaço europeu e internacional, como região emergente e inovadora, assumindo um importante papel na promoção externa e captação de investimento, a que se associa a transferência de valor para o território, faz com que atualmente a Agência esteja a ser procurada para parcerias de cooperação internacional em diferentes geografias, bem como ao manifestar do interesse de várias entidades públicas e privadas em serem acionistas da ADRAL, no âmbito do processo de aumento de capital social em curso.

Uma colisão rodoviária, durante a tarde desta sexta feira (20 de setembro), envolveu dois veículos ligeiros de passageiros em Borba.

O acidente teve lugar junto ao entrocamento após o Pingo Doce de Borba que faz a ligação com EN4, onde de resto já se registou uma colisão mortal durante esta semana.

Ao que a Rádio Campanário pode apurar uma das viaturas era ocupada por um casal, enquanto a outra era ocupada por 2 mulheres e uma criança.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora o alerta foi dado pelas 14H38.

A mesma fonte refere que se registaram 4 feridos, entre eles uma criança. Todos os feridos foram considerados leves.

No local encontram-se 11 operacionais, sendo apoiados por 5 viaturas.

 

Um veículo ligeiro de passageiros incendiou-se esta sexta-feira, perto de Évora, no IP2, na rotunda de saída para Estremoz.

Segundo informações do CDOS, o alerta foi dado pelas 11h06, não tendo resultado feridos do incidente.

A origem é ainda desconhecida, mas ao que a RC conseguiu apurar, poderá estar num curto circuito.

A condutora da viatura terá conseguido imobilizar a viatura e sair sem sofrer quaisquer ferimentos.

Nas operações participaram os Bombeiros de Évora e a Polícia de Segurança Pública, tendo a circulação estado condicionada.

 

 

Um médico do Serviço de Urgência do Hospital de Beja sofreu um enfarte do miocárdio, esta sexta-feira de manhã (20 de setembro), quando davam entrada naquela unidade os nove feridos da colisão ocorrida no IP2.

Ao que foi possível apurar, o clínico não aguentou a pressão da entrada de todos os feridos no SU. Depois de estabilizado, o médico foi transportado para o Hospital do Espírito Santo, em Évora, por uma das ambulâncias dos Bombeiros de Beja que tinha transportado vítimas do acidente.

Segundo foi possível apurar, o médico terá cerca de 50 anos e é clínico de primeiro atendimento, em regime de contrato de prestação de serviços.

A colisão envolveu dois veículos ligeiros de passageiros, provocou nove feridos, um muito grave e oito ligeiros, todos do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 20 e os 53 anos. Foram todos transportados para o Serviço de Urgência do Hospital de Beja.

O alerta do acidente, ao quilómetro 330 do IP2, a cerca de 3 quilómetros da aldeia de São Matias, no concelho de Beja, foi dado às 6.30 horas. Desconhecem-se as razões que estiveram na origem da colisão, mas na altura a zona estava debaixo de denso nevoeiro.

A violência da colisão foi de tal ordem que as duas viaturas ficaram viradas para o mesmo sentido, sul/norte, e havia peças dos dois veículos espalhadas por mais de 100 metros da via.

Num Renault Megane de dois lugares, que seguia no sentido norte/sul, no troço Vidigueira-Beja, viajava o condutor, ao que foi possível apurar um militar da Força Aérea, que teria como destino a Base Aérea 11, em Beja.

No outro veículo, um furgão Mercedes, que seguia no sentido contrário, viajavam oito trabalhadores agrícolas, residentes em Beja, que tinham como destino uma herdade em Vidigueira, para proceder à vindima.

O trânsito no IP2 esteve interrompido nos dois sentidos durante cerca de um a hora, para que os feridos fossem transportados para o hospital e os bombeiros procedessem à limpeza da via.

No local, estiveram 28 operacionais dos Bombeiros Voluntários de Beja, Cuba e Vidigueira, Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Hospital de Beja, GNR e Estradas da Planície, apoiados por 13 viaturas.

Militares do Núcleo de Investigação de Crimes em Acidentes de Viação da GNR, do Destacamento de Trânsito de Beja, foram chamados para fazer perícias aos veículos a fim de determinarem as causas da violenta colisão.

Decorreu esta quinta-feira (19 de setembro), uma visita à Fábrica-Museu da Ameixa, espaço aberto recentemente por ocasião dos 100 anos da Fábrica Frutas Doces (propriedade da empresa Sereno & Fonseca), em Elvas.

A RC acompanhou a visita e falou com o proprietário José Carlos Fonseca que explica que o espaço apresenta mais do que a ameixa de Elvas, vários produtos regiões, servindo como ‘janela’ para toda a cidade.

Surge como o local por onde “os turistas podem passar e ver”, mas os próprios habitantes de Elvas têm no espaço a oportunidade de conhecer a história da Ameixa de Elvas, “conhecida a nível mundial, e que não têm informação nenhuma sobre ela”.

“É um museu no qual se pode obter todas as informações sobre a ameixa”
José Carlos Fonseca

No espaço há informações “sobre as origens da ameixa, do processo de fabrico da ameixa, e faz um enfoque especial nos antigos proprietários desta fábrica”.

É ainda possível adquirir não só as ameixas de Elvas, como outros produtos regionais-

“Também explicamos (aos turistas) a panorâmica histórica da cidade”, uma vez do museu se avistam pontos como “a 2ª cerca muçulmana, a 3ª cerca de D. Fernando, o Museu Militar, o Forte de Santa Luzia”, conclui.

Nuno Mocinha, presidente da Câmara Municipal de Elvas, em declarações à RC congratula a iniciativa e aponta o seu contributo “para tornar a cidade mais atrativa” e na valorização da Ameixa de Elvas.

É assim proporcionado aos turistas conhecer a história da Ameixa de Elvas, “com a visita a estas instalações”.

No espaço da fábrica-museu da ameixa, temos um dos produtos-rei do nosso concelho”
Nuno Mocinha

O autarca congratula não só José Carlos Fonseca “por ter tido a iniciativa de fazer este espaço que os turistas adoram”, mas também “todos os empresários que têm acreditado  e que abrem as suas empresas para criar emprego e apostam no nosso concelho e o vão tornando mais rico”.

A Fábrica Frutas Doces foi fundada em 1919, e adquirida pela empresa Sereno & Fonseca em 2017. 

“Km.0” – Quilómetro Zero – é uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Évora que juntou um conjunto de parceiros para a dinamização da produção local de produtos agroalimentares, estimulando o seu consumo em estabelecimentos de restauração, lojas e venda de produtos alimentares, assegurando que as atividades de transformação e venda ao consumidor final são realizadas num raio de 50 km do seu local de origem, um conceito nascido em Itália e transposto, neste caso, para zonas servidos pelo regadio de Alqueva.

Para além de promover a economia local e estimular a produção familiar, este projeto contribui para a diminuição da pegada ecológica alimentar e contribui para a preservação das variedades locais e regionais associada aos sistemas agrícolas.

As áreas servidas pelo regadio de Alqueva têm na sua composição um número razoável de parcelas de pequena dimensão, constituindo este projeto um estímulo à sua rentabilização, indo por isso ao encontro daquele que é também um objetivo da EDIA, fomentando a agricultura na pequena propriedade.

É nesse contexto que a EDIA se associa a este projeto promovendo a sua divulgação junto dos seus clientes, neste caso no perímetro de rega de Monte Novo, numa ação que terá lugar no próximo dia 25 de setembro, pelas 10 horas, na Casa do Povo de São Manços.

A exposição “O Nosso São Mateus” foi inaugurada esta quinta-feira (19 de setembro), no Museu Municipal de Fotografia João Carpinteiro em Elvas.

Aos microfones desta estação emissora presente na cerimónia, João Carpinteiro, diretor do museu, explica a origem da exposição em homenagem ao Senhor Jesus da Piedade.

João Carpinteiro aponta a “ligação” que tem com o Senhor Jesus da Piedade, tendo sido Juiz da Confraria nos anos 70, e “feito vários anos o programa”.

Ao longo dos anos, o fotógrafo reuniu várias imagens do São Mateus, com foco no Senhor Jesus da Piedade.

“Fotografias mostram o São Mateus dos anos 60 e 70”
João Carpinteiro

 

A exposição composta por 53 fotografias, “a cores, ampliações grandes, bonitas”, surge como “uma homenagem especial ao senhor jesus da piedade com fotografias dos anos 60/70 […] que mostram o São Mateus” dessas décadas.

A exposição vai estar patente no espaço e visitável até ao dia 30 de outubro.

224 contraordenações, 3 acidentes rodoviários e 4 ocorrências foram algumas das ocorrências registadas pela GNR esta quinta-feira, dia 19 de setembro, na área de responsabilidade do Comando Territorial de Évora.

Segundo o Comando Territorial foram registados 3 acidentes de viação, sendo 3 atropelamentos de animais.

A GNR registou 1 acidente de trabalho, na localidade da Granja, do qual resultou um ferido grave.

No âmbito da criminalidade foram registadas 4 ocorrências, sendo 1 crime contra o património, 1 crime previsto em legislação avulsa e  2 crimes contra as pessoas.

Foi detido 1 cidadão em flagrante delito, pelo crime de condução sem habilitação legal.

No que respeita a contraordenações foram registadas 224 infrações rodoviárias. 

A colisão entre um automóvel e uma carrinha, provou 9 feridos, 1 deles em estado grave, na madrugada desta sexta-feira (20 de setembro), no concelho de Beja.

Segundo os bombeiros, o acidente, cujo alerta foi dado às 06:17, ocorreu no IP2, perto de São Matias.

A maioria dos feridos são trabalhadores agrícolas e seguiam na carrinha de 9 lugares, adiantou a GNR.

Todos os feridos foram transportados para as urgências do hospital de Beja.

O IP2 na zona de São Matias esteve cortado ao trânsito durante cerca de meia hora, estando a circulação a ser feita desde então, de forma alternada no local do acidente.

O socorro às vítimas mobilizou os Bombeiros Voluntários de Beja, Cuba e Vidigueira, INEM GNR e a concessionária da estrada, num total de 28 operacionais, apoiados por 13 veículos.

 

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Setembro 2019 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30