A partir do próximo dia 08 de agosto e até setembro o município de Odemira promove a iniciativa “Animar o verão em segurança” no concelho.

“Música, teatro, espetáculos de rua sempre em itinerância e em espaços interiores em espaços interiores com lugares marcados e com distanciamento de segurança garantido, e atuações online animam este ano o verão no concelho de Odemira, no âmbito do programa cultural Animar o Verão”, refere a autarquia em nota.

Os eventos vão acontecer entre agosto e setembro e sempre assegurados “exclusivamente por artistas e grupos residentes no concelho de Odemira como forma de promover o seu talento e arte e contribuir para aliviar as dificuldades por que passa o setor artístico, resultante da redução abrupta da sua atividade devido à pandemia do COVID-19”.

Segundo o município, “para além de animar as tradicionais zonas balneares, este ano a novidade passa por alargar o programa Animar o Verão ao interior, sendo a programação da responsabilidade das respetivas juntas de freguesia aderentes, com financiamento do Município de Odemira, no mesmo princípio de envolvimento da comunidade artística local.

Outras das novidades da edição deste ano do programa do Animar o Verão, serão os concertos gravados ao vivo com bandas e DJ locais, que serão transmitidos online nas plataformas oficiais do Município do Youtube e Facebook às quartas-feiras, permitindo que possam desfrutar de momentos musicais sem sair de casa”.

Os espectáculos serão gratuitos, mas de pequena dimensão e com um número reduzido de público, sendo necessária reserva prévia de lugar (nas juntas de freguesia e no Município de Odemira) e uso obrigatório de máscara, cumprindo as normas de segurança sanitária em vigor. Podem ser cancelados ou adiados de acordo com as determinações da autoridade de saúde para cada momento.

O presidente da Câmara Municipal de Évora, Carlos Pinto de Sá, e os vereadores Eduardo Luciano e Alexandre Varela, visitaram as obras em curso do Teatro Garcia de Resende.

Segundo a autarquia, o objetivo da visita foi “acompanhar a evolução das obras de reabilitação física e funcional do edifício do Teatro Garcia de Resende e de requalificação do espaço envolvente onde se insere o respetivo parque de estacionamento”.

Em nota, o município refere que “apesar da complexidade e dos cuidados na intervenção que é necessário garantir, uma vez que se trata de um teatro histórico, os eleitos puderam constatar que os trabalhos estão a decorrer com êxito e que, não obstante os constrangimentos provocados pela situação de pandemia, estão a ser cumpridos os prazos previstos. Foram identificados ainda alguns trabalhos cuja inclusão será avaliada, como é o caso dos painéis do átrio.

O Presidente da Câmara e os Vereadores verificaram igualmente o andamento dos trabalhos de requalificação do parque de estacionamento que continuará a servir o teatro e a cidade, mantendo a capacidade para 78 lugares

Após a conclusão das obras, este equipamento municipal terá beneficiado de melhorias substanciais na consolidação estrutural, conforto e segurança, nomeadamente contra incêndios. Estará assim em condições adequadas para voltar a receber grandes eventos e para responder também aos desígnios da candidatura de Évora Cidade Capital Europeia da Cultura 2027.

A reabilitação física e funcional do Teatro Garcia de Resende é possível graças ao sucesso da candidatura apresentada pelo Município de Évora a financiamento pelo Programa Operacional Alentejo 2020, no âmbito do PEDU - Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano, e insere-se na estratégia municipal de regeneração urbana e revitalização do Centro Histórico de Évora. O valor total do investimento ronda os 2 milhões de euros”.

Tal como a Rádio Campanário tinha noticiado em primeira mão, estava prevista, para dia 28 de agosto,a realização de uma corrida de touros, em Monforte, para assinalar os 40 anos de alternativa do cavaleiro Paulo Caetano e os 20 anos de existência do Gupo de Forcados de Monforte, corrida esta que seria transmitida em direto pela RTP.

O Município de Monforte, inicialmente, manifestou todo o apoio à realização deste evento tauromáquico mas, tal como a Rádio  Campanário deu conta, anunciou já ter retirado esse mesmo apoio com base no conhecimento dos constrangimentos e problemas que tem vindo a rodear a organização da anunciada corrida, organização à qual a Câmara Municipal  é alheia.

A Rádio Campanário, falou ontem ao final do dia com Maria de Fátima Gaspar Pinto, única responsável pela Empresa Bússolas e Descobertas , Lda. , empresa responsável pela organização desta corrida, que nos disse "não tenho uma razão precisa, porque nenhuma associação me disse, porque é que eu não posso dar a corrida".

Esta empresária adiantou ainda à nossa reportagem "que já ontem enviei e-mails ao sindicato dos toureiros, para a Associação Nacional Grupo de Forcados, para a Associação Portuguesa de Criadores de Touros de Lide e para a Apep, questionando se existia da sua parte alguma dívida que a impedisse de realizar a referida corrida, ao que, ainda no dia de ontem, lhe terá sido respondido por duas das quatro associações questionadas- Sindicato dos Toureiros e Apep- que não existe nenhuma dívida da minha empresa." Relativamente às outras duas associações, indica não ter obtido ainda qualquer resposta apesar de , tal como indica, "para a Associação nacional Grupo de Forcados já ter enviado quatro e-mails no total."

Questionada sobre como teve conhecimento de que não podia dar a corrida, Maria de Fátima Pinto adianta-nos que "recebi alguns telefonemas de alguns cavaleiros e artistas, nomeadamente os que compunham o cartel para esta corrida,  com indicação de que me davam total apoio  no entanto tinham recebido indicações que se participassem nesta corrida organizada por fim, não poderiam depois ser contratados por outras empresas." No que diz respeito aos touros diz que, estes mesmos cavaleiros a informaram de que "os rumores que existem é que os touros  toureados nesta corrida, já não poderão ser utilizados em outra corrida."

Em relação aos próprios forcados, a Empresária adianta que lhe foi dito "pelos próprios grupos de forcados que estavam entre a espada e a parede porque de um lado tinham a decisão da Associação Nacional Grupo de Forcados, que diz que eu estou associada ao Sr. João Duarte e por esse motivo não posso dar a corrida. Eles não proibem os forcados de participar na corrida no entanto não os aconselham a irem contra um código de ética existente, aconselhando-os a não aceitar o meu convite."

Acrescenta ainda não saber se a razão desta proibição tem a ver com dívidas associadas ao nome de João Duarte, pessoa com quem vive maritalmente, uma vez que até ao momento e apesar de já  ter questionado as quatro associações em questão,  existem ainda duas que  não lhe deram resposta.

Ainda desconhecendo o verdadeiro motivo que a impede de continuar a organizar esta corrida de touros, Maria de Fátima Pinto diz que "ainda mais neste ano, pelas condições em que vivemos, toda a gente devia estar feliz por termos uma corrida televisionada. Se todos estivessemos unidos e ma luta pelo mesmo fim-que é o bem da tauromaquia- não era importante qual a empresa que estava a organizar."

A empresária adiantou entretanto aguardar até ao final do dia de ontem pelas respostas em falta, sobre eventuais dividas e qual o motivo pelo qual a empresária não pode dar a corrida referindo ainda "não quero acreditar que isto acontece porque sou mulher ou que estou a mexer em certas e determinadas coisas que estão a fazer mossa a muitas pessoas e agirei em conformidade, avançando com uma providência cautelar contra a Associação nacional Grupo de Forcados, que foi quem despoletou tudo isto." 

Relativamente à Câmara Municipal de Monforte, a empresária enalteceu a postura do Presidente do Município de Monforte pelo apoio prestado assim como a postura da Casa da RTP, os próprios cavaleiros e o próprio ganadero, também pelo apoio prestado nesta situação em concreto. Maria de Fátima Pinto vai mais longe e diz que "secalhar os verdadeiros anti-taurinos passeiam-se aqui por dentro."

Questionada se à data em que a entrevista foi efetuada pela nossa reportagem- 5 de agosto- se a corrida se encontra efetivamente cancelada, Maria de Fátima adianta " que a corrida não está cancelada e que aguarda a resposta das associações em falta e só depois tomará a sua decisão, guardando os trunfos que tenho para a altura certa."

 

 

 

A Câmara Municipal de Borba divulgou esta quinta-feira, o cartaz da Festa em honra do Senhor Jesus dos Aflitos, que vai decorrer nos dias 15 e 16 de Agosto.

O Município de Borba refere que  “para além da componente religiosa, pretende-se oferecer alguns momentos culturais, a decorrer nos dias 15 e 16 de Agosto”, salientando que “queremos assinalar a história e cultura dos Borbenses, dando prioridade à segurança e à saúde pública”.

No dia 15, sábado, realiza-se, pelas 21h30 os "Fados à Varanda", com os fadistas António Vieira, Jorge Goes e Soraia Branco. No domingo, pelas 22h00, haverá um concerto com a Emsemble da Banda Filarmónica do Centro Cultural de Borba, seguido do fogo de artifício.

A autarquia refere que serão espetáculos com público, mas com lotação cirscunscrita aos lugares disponíveis, segundo as regras da DGS.

A Câmara borbense apela ainda “ao maior sentido de responsabilidade de cada um”:

  • Manter o distanciamento social
  • Utilizar sempre a máscara facial
  • Cumprir todas as regras de etiqueta respiratória
  • Cumprir as instruções das entidades de segurança presentes no local – Guarda Nacional Republicana e Bombeiros Voluntários de Borba.

 

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) acionou hoje o sistema de aviso preventivo por SMS para informar os cidadãos acerca da situação de risco extremo de incêndios rurais e dos cuidados a ter.

Esta medida decorre da ativação do estado de alerta especial de nível vermelho - do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro - para o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais em 7 distritos (Bragança, Beja, Castelo Branco, Faro, Guarda, Vila Real e Viseu) e da Declaração da Situação de Alerta determinada pelos Ministros da Administração Interna, da Defesa Nacional, do Ambiente e Ação Climática e pela Ministra da Agricultura.

O SMS foi enviado pelas operadoras móveis com inicio às 09:00 horas. A mensagem da ANEPC, enviada em português e inglês, foi a seguinte:

  •  Risco extremo de incendio rural. Fique atento. Proibido o uso do fogo. Em caso de duvida: 800 246 246 ou www.prociv.pt / ANEPC
  •  High wildfire risk in Portugal. Use of fire is forbidden. Info +351 214 247 247 / www.prociv.pt / ANEPC.

Espetáculos de dança ao vivo e conteúdos ‘online’ integram a programação reestruturada da edição deste ano do Festival Internacional de Dança Contemporânea (FIDANC), prevista para Évora, no final de setembro, apesar da pandemia COVID-19.

O festival é promovido pela Companhia de Dança Contemporânea de Évora (CDCE) e vai ter lugar de 27 de setembro a 10 de outubro, revelou a organização.

Segundo a CDCE, o evento apresenta “uma programação reestruturada, de forma a responder ao atual contexto de pandemia” provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, mas vai, como sempre, oferecer aos públicos dança e mais dança.

Espetáculos e performances “de pequeno formato” para “plateias reduzidas”, vídeos dança e ‘workshops’ apresentados ao ar livre e numa igreja são iniciativas indicadas pela organização e que vão ter “o objetivo de, através da dança contemporânea, devolver alguma normalidade à vida”.

“Além das apresentações com a presença de público, vamos também estar nas plataformas ‘online’”, acrescentou a CDCE.

Ainda sem divulgar o programa em pormenor, a Companhia de Dança Contemporânea de Évora adiantou que o festival vai abrir, no dia 27 de setembro, com “a nova criação da criadora emergente Carla Jordão, uma proposta da Companhia de Dança de Almada”, mas não revelou o nome do espetáculo.

O “cartaz” do FIDANC inclui igualmente “um pequeno ciclo” com obras da criadora Amélia Bentes, tendo a CDCE revelado que a primeira obra, intitulada “Um fio de Ar”, é direcionada ao espaço público.

O espetáculo “Ensaio sobre a Cegueira”, baseado na obra de José Saramago e uma criação da coreografa Nélia Pinheiro, da CDCE, do ano passado, em coprodução com a Câmara de Évora, vai ser apresentada a 03 de outubro, na Igreja de São Vicente.

A fechar o festival, a CDCE vai estrear ainda a nova criação deste ano, com “assinatura” de Nélia Pinheiro.

O público infantil também não foi esquecido na programação do festival e vai poder aceder a conteúdos nas plataformas ‘online’, nomeadamente à estreia da nova criação de Gonçalo Almeida Andrade, que apresenta uma reflexão sobre o impacto do atual contexto de pandemia na natureza.

Vídeos dança de criadores portugueses também serão disponibilizados na Internet, em canal livre, acrescentou a organização, que referiu ainda que estão previstas duas oficinas de dança contemporânea, na Black Box da CDCE.

“A edição de 2020 terá um formato mais reduzido, mais intimista, mas a grande dimensão artística da linguagem da dança contemporânea estará presente”, garantiu a companhia.

Segundo o Comando Territorial de Évora ocorreram oito acidentes de viação, sendo oito colisões dos quais resultaram danos materiais.

No âmbito da criminalidade foram registadas quatro ocorrências, sendo um crime contra o património, dois crimes contra as pessoas e um crime contra a vida em sociedade.

Foram detidos dois cidadãos, um flagrante delito pelo crime de condução em estado de embriaguez e outro, fora de flagrante delito, pelo crime de violência doméstica.

Em termos contraordenacionais foram registadas 58 infrações rodoviárias e uma legislação policial.

Dá-se continuidade às operações Resina, Floresta Segura, Prisec2020, Campo Seguro, Verão Seguro 2020, Exames Nacionais 2020, Viajar em Segurança e Alerta Seguro.

O posto móvel está hoje, dia 06 de agosto, nas localidades de Vale do Pereiro, Azaruja e São Miguel de Machede, das 13h30 até às 20h30.

Foi publicado esta quarta-feira, em Diário da República (DRE), o concurso público para a construção Centro de Acolhimento Turístico e Interpretativo de Terena, lançado pela Câmara Municipal de Alandroal.

Segundo consta no DRE, a realização desta empreitada visa a realização de obras para adaptação de um edifício a Centro de Acolhimento Turístico e Interpretativo de Terena.

Esta obra resulta de uma candidatura aprovada para a Promoção e Valorização Turística dos Ativos naturais e histórico-culturais do concelho, pelo Alentejo 2020. O valor do preço base do procedimento é de 112.148,31 euros.

Como refere a Câmara Municipal de Alandroal no seu site, a "Reabilitação de Edifício na Rua Direita - Terena", consiste na reabilitação de um edifício e refuncionalização do mesmo, por forma a criar as condições para uma adequada receção, acolhimento e encaminhamento dos visitantes que chegam ao concelho de Alandroal, assim como, para apresentação e interpretação dos produtos turísticos e culturais que o concelho oferece a esses mesmos destinatários.

"Esta operação de reabilitação de um edifício em degradação e sem uso na vila de Terena para o converter em Centro de Acolhimento Turístico e Interpretativo de Terena, será complementar a outra candidatura que o município pretende igualmente apresentar ao AVISO N.º ALT20‐14‐2019‐27 ‐ CIMAC, com a designação de "Centros de Acolhimento Turístico e Interpretativo do Concelho de Alandroal", e que alem integrar os equipamentos e imagem deste centro de acolhimento, integrará mais dois centros de Acolhimento, um na vila de Alandroal e outro na vila de Juromenha.

Pode consultar o anúncio aqui.

Uma máquina de desinfeção a ozono, destinada a limpar as viaturas municipais e torná-las mais seguras face à COVID-19, foi oferecida à Câmara Municipal de Évora pelo grupo A. Matoscar.

Para além do município foram também oferecidas máquinas idênticas ao Comando Territorial de Évora da Guarda Nacional Republicana, representado pelo Tenente Coronel Rocha Pereira, e ao corpo de Bombeiros Voluntários de Évora.

“Trata-se de um ato generoso que registamos com muito agrado”, sublinhou o Presidente do Município de Évora, Carlos Pinto de Sá, explicando que a doação “é um contributo muito importante para a higienização das viaturas municipais e mostra o empenho da empresa na região”. Referiu ainda a importância do trabalho realizado por esta empresa do ramo automóvel, recordando que está a desenvolver uma obra de grande dimensão no Parque Industrial e Tecnológico de Évora, a inaugurar em breve.

Segundo explicou Pedro Matos, um dos responsáveis do Grupo A. MatosCar, este equipamento de desinfeção a ozono foi oferecido a 68 câmaras municipais que fazem parte da zona de implantação da empresa, que se estende pelo interior do país, com concessionários na Guarda, Fundão, Castelo Branco, Portalegre, Évora e Beja. Referiu ainda Pedro Matos que “A ideia surgiu de uma necessidade dos nossos clientes e, pela responsabilidade social que temos, decidimos entregar estas contribuições a um conjunto de entidades das áreas onde estamos implantados”.

O Município de Alcácer do Sal anunciou que o Azeite Manos Lince, produzido no concelho, foi premiado com uma Medalha de Ouro no concurso "Dubai Olive Oil Competition", que teve lugar no decorrer desta semana.

Este concurso premiou os néctares de 287 produtores provenientes de 17 países, tendo tido jurados credenciados na prova dos azeites.

A autarquia parabeniza a obtenção de mais um justo reconhecimento por parte do Azeite Manos Lince, “uma marca que continua a amealhar assinaláveis distinções, promovendo em todas elas o nosso concelho”.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Agosto 2020 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31