A Casa da História Judaica em Elvas, foi inaugurada este sábado, dia 13 de abril. Depois da inauguração de uma primeira fase de obras em setembro de 2017, o espaço museológico encontra-se agora concluído e aberto ao público.

A RC esteve presente na cerimónia, onde falou com Nuno Mocinha, presidente da Câmara Municipal, que defende a importância de “pôr a disposição de todos” a história de Elvas, nomeadamente da comunidade judaica que passou pela cidade.

 “É um elemento importantíssimo porque conta parte da história que se viveu em Elvas, nomeadamente a história dos judeus”
Nuno Mocinha

O autarca defende que “num mundo que se quer tolerante”, com “valores que possam dignificar o passado e projetar o futuro”, é crucial “respeitar essa parte da nossa história”.

A Casa da História Judaica integra o património considerado na classificação de Elvas como Património Mundial da UNESCO, realça.

A abertura do espaço decorreu “num momento importante para Elvas”, avança o autarca, “em que Elvas dá posse ao seu cronista oficial” Rui Jesuíno.

A reabilitação das instalações do antigo Açougue Municipal e conversão em museu representou, nas duas fases, “um investimento superior a 200 mil euros”. Este foi financiado em cerca de 100 mil euros pelo fundo norueguês EEA Grants.

Depois da fase de obras, foram agora colocados “elementos que possam transmitir aquilo que foi a história dos judeus em Elvas” e alguma “iluminação cénica”, estando agora a Casa da História Judaica concluída e aberta à visitação.

Ana Paula Amendoeira, diretora Regional da Cultura do Alentejo, defende que “é sempre relevante o investimento que se faz na recuperação do património”, mas este ganha importância quando serve “para valorizar aspetos da cultura que em alturas passadas foram muito hostilizados”.

Abertura do espaço é algo “muito positivo e um passo em frente para a educação para a paz”
Ana Paula Amendoeira

A valorização deste tipo de património “contribui para a promoção da cultura de tolerância e de paz”, que concede a todos “o direito de livremente terem a sua visão do mundo, as suas práticas ou crenças”, defende.

A dirigente salienta ainda o esforço contínuo do município para recuperação e manutenção do seu património, afirmando que a classificação como Património da UNESCO não é acompanhada de nenhuma contrapartida financeira, sendo estas intervenções iniciativa e responsabilidade total da autarquia.

No passado sábado (13 de abril), decorreu em Terena a iniciativa «Limpar Lucefécit» que levou dezenas de pessoas à barragem para recolha de lixo no seu perímetro.

A Campanário esteve no local, onde falou com alguns voluntários que participaram nesta iniciativa promovida pelo Município de Alandroal, AJA - Associação Jovem Alandroalense, GESAMB e Gabinete do Ambiente.

Maria do Céu Rosa, de Alandroal, afirma que “é importante que todos ajudem a limpar” este espaço que é de todos.

Aponta ainda que “estava à espera de mais” lixo do que encontrou, sendo o volume deste é sempre superior na época de verão em que a afluência à barragem é maior.

Edgar Mina, natural, mas não residente no concelho, veio este fim de semana a Alandroal para participar no evento, que inclui toda a sua família. O participante afirma que “a separação do lixo começa pelos mais novos”, sendo hábito na sua casa-

À semelhança da voluntária anterior, também esperava “que fosse encontrar mais lixo”, ainda assim “continua a aparecer muito lixo”.

Segundo informações da autarquia, vão ser colocados contentores e um ecoponto, pela primeira vez, junto ao paredão.

10 crimes contra as pessoas, mais de 140 contraordenações e 2 incêndios florestais, foram algumas das ocorrências registadas pela GNR no distrito de Évora (12 a 14 de abril).

Segundo o Comando Territorial de Évora da GNR, na sua área de jurisdição foram registados 9 acidentes, sendo 6 colsões, 2 despistes e 1 atropelamento.   

Foram registados 2 incêndios florestais, tendo ardido 2,2 hectares de pasto, e 3 árvores de fruto.

No âmbito da criminalidade, registaram-se 18 ocorrências, sendo 10 crimes contra as pessoas, 2 crimes contra o património, 5 crimes contra a vida em sociedade e 1 crime previsto em legislação avulso.

Foram detidos 2 cidadãos em flagrante delito, pelo estado de condução em estado de embriaguez na localidade de Vendas Novas.

No âmbito contraordenacional, foram registadas 139 infrações rodoviárias e 5 à legislação ambiental.  

 

 

 

Os turcos da ESAN Eczacibasi contam avançar em breve com os trabalhos de prospecção mineira numa área denominada "Rosário", que fica no alinhamento da área de Neves-Corvo, em plena Faixa Piritosa Ibérica. O investimento está avaliado em cerca de 2,5 milhões de euros e é aguardado com alguma expectativa por parte dos responsáveis da empresa da Turquia. 
"É uma área muito propícia [à descoberta de novos depósitos de minerais], já que fica no alinhamento de Neves-Corvo. Estamos ansiosos", assume ao "CA" o geólogo Nelson Martins, responsável pela operação da ESAN Eczacibasi em Portugal.
De acordo com este técnico, a empresa aguarda apenas a confirmação, por parte da Secretaria de Estado de Energia, para poder avançar com os trabalhos de prospecção em parceria com a EDM – Empresa de Desenvolvimento Mineiro, que pertence ao Estado, numa área com 202 km2.
"É a continuação da faixa de Neves-Corvo, há umas ocorrências à superfície de outras sondagens e estamos a avançar, no sentido de tentar localizar mais alguma coisa com interesse económico. 

A  videira é uma planta complexa e de vida longa. O Alentejo possui a maioria das características que contribuem para a abundância de castas distintas, dando origem aos vinhos únicos que são referência no mundo todo.

Para te ajudar a conhecer melhor sobre essa incrível produção, separamos algumas castas de altíssima qualidade, produzidas na maior região de Portugal. Afinal, saborear o vinho alentejano é apenas uma pequena parte desse incrível processo.

Aliancante Bouschet
Apesar de formalmente não ser considerada uma casta portuguesa, a Alicante Bouschet está tão enraizada no coletivo alentejano que hoje é vista como tal. É uma das raras variedades tintureiras que proporcionam bebidas com coloração intensa. Tal característica fez com que ganhasse o apelido de “Tinta de Escrever”.

Castelão
Durante anos esta casta foi uma das mais produzidas no Alentejo, mas seu cultivo foi diminuindo com o tempo tornando-se uma raridade. É capaz de criar vinhos estruturados, frutados e com uma ênfase especial na groselha. Outra característica de destaque é a sua acidez que costuma ser assertiva valorizando o sabor.

Trincadeira
A Trincadeira é uma das variedades melhor adaptada ao clima seco do Alentejo. Dá corpo a vinhos aromáticos e com tendências florais. Sua acidez também se destaca por ser uma característica muito apreciada no calor alentejano.

 

Mais de duas toneladas e 100 quilos de alimentos e produtos de higiene foram recolhidos com destino a Moçambique ao longo neste passado sábado, por colaboradores da Câmara Municipal de Elvas, nas superfícies comerciais da cidade.

A iniciativa, inserida no projeto “SOS Moçambique – Vamos Todos Ajudar”, foi promovida pela Câmara Municipal de Elvas, em parceria com a Associação de Trabalhadores da Câmara Municipal de Elvas e a Cruz Vermelha Portuguesa.

Os bens alimentares como massas, arroz, leite e outros, não enlatados, foram doados à Cruz Vermelha Portuguesa de Elvas. 

 

Decorreu este domingo, 14 de abril, em Vila Viçosa a "Caminhada Dia Mundial da Saúde".

A iniciativa resultou de uma parceria entre a Câmara Municipal de Vila Viçosa, a Escola Secundária André de Gouveia e a Unidade de Cuidados na Comunidade de Vila Viçosa, que promoveram uma caminhada com demonstrações de Zumba e Aérobica para assinalar o Dia Mundial da Saúde. Esta iniciativa surge no âmbito de uma Formação em contexto de trabalho, que se encontra a decorrer, no âmbito do “Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva” frequentado por um aluno que é residente em Vila Viçosa. 

O Dia Mundial da Saúde é celebrado a 7 de abril, no entanto devido ás condições climatéricas adversas que se registaram a organização viu-se obrigada a adiar para este domingo (14 de abril) o plano de atividades.

Foi uma boa oportunidade de alertar a sociedade civil para temas-chave na área da saúde que afetam a humanidade, além de desenvolver atividades com vista ao desenvolvimento do bem-estar das populações, tal como da promoção de hábitos de vida saudáveis. 

A Rádio Campanário marcou presença e mostra-lhe a reportagem em fotos das actividades.

 

​​Como fazer cumprir, pela Autoridade Tributária, a Lei do Património, que isenta automaticamente os cidadãos do Centro Histórico de Évora do pagamento do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) foi a grande questão colocada pelo Movimento de Defesa do Centro Histórico de Évora no debate público, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

 

Um debate que teve casa cheia e reuniu moradores, instituições e associações locais, mas também os representantes políticos locais, nomeadamente da Câmara e Assembleia Municipal e os deputados eleitos por Évora na Assembleia da República. Todos defendendo que a legalidade democrática seja cumprida pelas Finanças, plasmada na Lei do Património e mais recentemente no acórdão do Supremo Tribunal Administrativo, que reconheceu a isenção do IMI nos Centros Históricos Património Mundial, além de várias decisões judiciais favoráveis aos munícipes.

A isenção de IMI no Centro Histórico de Évora é encarada como uma compensação aos proprietários dos imóveis pelos constrangimentos e  interdições que sobre eles recaem no que concerne às restrições na realização de obras, compra e venda, estacionamento, entre outras.

Cada cidadão deve reclamar de novo nas Finanças a isenção, anexando o acórdão do Supremo quando chegar o aviso de liquidação emitido pelas Finanças. Esta foi uma das ideias defendidas, bem como a continuação das ações judiciais individuais, mas também de ações colectivas. Alguns cidadãos consideram ainda que se trata de uma decisão política que só o Secretário de Estado pode resolver, dando a devida ordem à Autoridade Tributária.

O Presidente da Câmara Municipal de Évora foi um dos vários intervenientes na sessão, recordando o trabalho feito pela autarquia nesta matéria e reafirmando a defesa do cumprimento da lei pela Autoridade Tributária, isentando estes moradores do pagamento de IMI. Apesar da significativa perda de receitas que justificam a existência deste imposto municipal, o Presidente Carlos Pinto de Sá recordou que a Lei das Finanças Locais prevê a compensação financeira aos municípios por todas as isenções decretadas pelo Estado Central, permitindo salvaguardar dessa forma a equidade na distribuição de recursos pelo Poder Local.

 

Dino D’Santiago é a primeira confirmação no cartaz da edição deste ano do festival Portel + Jovem.

O cantor vai subir ao palco, instalado no Parque do Rossio, no dia 05 de julho.

Quanto ao festival, que é organizado pelo município, vai decorrer nos 04,05 e 06 de julho.

 

 

 

O relatório entregue esta sexta-feira identificou riscos para as espécies de aves que vivem ali e problemas com potencial ruído para as populações vizinhas. Mas obra vai avançar na mesma.

O estudo de impacte ambiental ao novo aeroporto no Montijo, que esta sexta-feira, identificou problemas em termos de ruído para as populações vizinhas e riscos para várias espécies de aves segundo o documento a que o jornal o Sol teve acesso. Ainda assim, o Governo e a concessionária Vinci não vão desistir de avançar com o aeroporto.

 O estudo identificou vários problemas, o que não agrada nem ao Governo nem à empresa construtora Vinci.

 As principais questões detetadas pelo estudo são o ruído para as populações que residem nas proximidades da base aérea e a ameaça às espécies de aves que habitam aquela zona do estuário do rio Tejo.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Abril 2019 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30