Imprimir esta página

CARLOS ZORRINHO

Comentário Semanal do eurodeputado Carlos Zorrinho aos microfones da Rádio Campanário (c/som)

Revista de Imprensa 13 Abr. 2021

Na Revista de Imprensa desta terça-feira, 13 de abril, contámos com o comentário do eurodeputado e representante do PS, Carlos Zorrinho. Foram abordados temas como a Operação Marquês, a nova Lotaria do Património Cultural e a vacinação em Portugal.

Desde a sexta-feira passada, a Operação Marquês tem causado uma onda de indignação na sociedade portuguesa, uma vez que o juiz Ivo Rosa absolveu o ex-primeiro-ministro, José Sócrates, dos crimes de corrupção passiva de titular de cargo político.

Carlos Zorrinho refere que ‘’a justiça é, por natureza, independente do poder político. O poder político pode naturalmente alterar regras genéricas e nunca interferir em processos concretos’’. Trata-se de um processo longo, em que a decisão do juiz Ivo Rosa ‘’é uma decisão instrutória’’, afirma.  

''Para mim próprio foi uma surpresa, também acho muito estranho que se fizesse uma instrução de processos que se iniciaram e que já estavam prescritos. Tudo isso é muito estranho. Tudo isso é muito difícil de explicar às pessoas'', comenta.

Quando questionado se irá suceder alguma alteração à decisão do juiz, o eurodeputado explica que ‘’os juízes são independentes’’, mas são os que têm competência para a análise. ‘’A nossa opinião, de quem quer que seja, de um cidadão, neste caso em concreto, e face à justiça, é absolutamente irrelevante’’, realça.

A questão da Loteria do Patrimônio a ser lançada em maio também foi abordada, visto que está a gerar algumas críticas, no sentido de haver receio quanto ao impacto social deste novo jogo. O impacto poderá ser negativo, sendo que as pessoas mais propensas a jogar, a ter esse tipo de comportamento em termos de jogo, são as pessoas que socialmente têm mais dificuldades e são mais vulneráveis.

O eurodeputado salientou que a adição ao jogo é cada vez mais importante, tanto para as pessoas mais desfavorecidas, como também pessoas menos preparadas em termos de maturidade, como os jovens. ‘’O mais importante é fazer uma pedagogia em relação ao jogo, em relação à adição do jogo (…) fazer alguma limitação sobre o acesso das pessoas mais vulneráveis a poderem jogar’’, reforça.

Por último, a questão da vacinação no nosso país também foi comentada. Esta quinta-feira chegarão mais vacinas a Portugal, e o eurodeputado foi questionado acerca da polémica que a interrupção da AstraZeneca está a causar. Carlos Zorrinho recomenda ainda que ‘’devemos seguir as entidades que são tecnicamente responsáveis’’.

Relembra também que ‘’os benefícios das vacinas são largamente superiores aos riscos’’, e que estamos sempre sujeitos a um ou outro percalço ao fazer ‘’em tempo recorde um conjunto de vacinas’’.