Imprimir esta página

Comentário semanal do eurodeputado Carlos Zorrinho aos microfones da Rádio Campanário (c/som)

Revista de Imprensa 11 Dez. 2019

O eurodeputado Carlos Zorrinho, eleito pelo PS, no seu comentário desta terça-feira, 11 de dezembro, abordou aos microfones da Rádio Campanário a queda de 8 lugares do país no ranking ambiental, deu a sua opinião sobre a carta enviada pelo Ministro do Ambiente a Greta Thunberg, o facto de Mário Centeno ter porta aberta para novo mandato no Eurogrupo, as questões sobre o orçamento e a regionalização.

Sobre a descida de 8 lugares no ranking ambiental, Carlos Zorrinho considera que “esses dados têm em conta as emissões dos incêndios que decorreram em 2017”.

O eurodeputado aponta “o desinvestimento que foi feito no início destra década também contribui para esses dados”, no entanto, “continuamos a ter uma posição muito positiva nos rankings ambientais”. Para Carlos Zorrinho é importante “continuar a fazer mais, a apostar nas políticas ambientais”.

Sobre a carta enviada pelo Ministro do Ambiente a Greta Thunberg, o eurodeputado explica que “inicialmente tive aquela ideia da adolescente maldisposta e em bicos de pés, pouco a pouco fui percebendo outra coisa”.

Para Carlos Zorrinho “embora a carta seja endereçada a ela, simbolicamente é endereçada a todos os jovens do mundo”, acrescentando que “temos de pensar na simbologia que Greta representa, passa um pouco por pensarmos em dar um futuro aos nossos filhos”.

O eurodeputado considera que “hoje em dia vivemos num mundo muito disperso, por vezes é preciso estar no sítio certo para ser ouvido, esta adolescente acabou por simbolizar um sentimento geral”.

Questionado sobre a possibilidade de um novo mandato no Eurogrupo para Mário Centeno, o eurodeputado refere que “o que vamos ouvindo por aqui, nas instituições europeias, é o reconhecimento do bom trabalho desenvolvido por Mário Centeno”.

Carlos Zorrinho reconhece que “não temos dados os passos com a velocidade que gostaríamos, porque falamos de 28 ministros das finanças com visões muito diferentes”, no entanto, “já foi criado um mecanismo de estabilidade que pode ajudar a evitar algumas crises”.

O eurodeputado considera ainda que “o reconhecimento de Mário Centeno é muito bom para Portugal, mostra que é o melhor ministro das finanças que podemos ter”.

Relativamente ao orçamento de estado, Carlos Zorrinho considera que “não é fácil”, uma vez que “não temos acordos escritos é normal que cada partido faça as suas exigências”.

O eurodeputado refere que “os partidos estão a tentar colocar no orçamento aquilo que têm nos seus programas, no entanto o PS ganhou e como tal tem de por em prática o seu programa”, acrescentando que “não ganhou com maioria absoluta por isso é normal que tenha de introduzir algumas medidas dos outros grupos parlamentares”.

Questionado sobre a possibilidade de a regionalização avançar sem referendo, Carlos Zorrinho considera que “não seria muito cordial”, acrescentando que “acho que devia ser agendado um referendo, seria muito pedagógico para o país termos 5 regiões”.