Alentejo

Comentário semanal do Eurodeputado José Gusmão aos microfones da Rádio Campanário(c/som)

Revista de Imprensa Escrito por  21 Out. 2022

 

Na Revista de Imprensa desta sexta-feira, dia 07 de outubro, contámos com o comentário do Eurodeputado José Gusmão do Bloco de Esquerda.
Os temas abordados no dia de hoje foram: Gasoduto Ibérico-há quem já o considere um disparate total, PJ investiga rede do Siresp e Ministro das Finanças admite risco com o Novo Banco e a Tap está em segredo no OE2023.

Em relação ao primeiro tema o Eurodeputado do BE começou por referir “não se percebe muito bem o que é que o governo português retira para o País deste acordo” pois como acrescenta “este é um acordo em que Portugal fica excluído, em que aceita que o Gasoduto vai mesmo ser bloqueado por França, ou seja, há uma desistência de uma infraestrutura que era absolutamente estratégica para o nosso país e para a própria Europa, em troca de uma solução que beneficia sobretudo Espanha , a França .”

O Eurodeputado sublinha ainda que “para Portugal a única coisa que sobra é o reconhecimento de que o gasoduto não vai acontecer e a desistência de toda a pressão que vinha sido feita no sentido de que a França tivesse o interesse europeu em linha de conta.”

Para José Gusmão “esta decisão só pode ser explicada por causa das ambições políticas de António Costa na União Europeia, nomeadamente a sua candidatura a um cargo de topo europeu.”

Quanto ao segundo tema , o nosso comentador começa por dizer que “ninguém ficou surpreendido” ainda assim refere “o que é preciso é que uma vez realizada a investigação, que a culpa não morra solteira.”

Já quanto ao terceiro tema, o Eurodeputado do BE começa por sublinhar “o que já vem no orçamento é a medida que permite às empresas deduzir até 65% dos seus lucros os prejuízos fiscais de anos anteriores” acrescentando “é uma medida técnica e pouco perceptível no seu impacto.”

José Gusmão não deixa contudo de referir que “esta medida vai ser uma borla fiscal gigantesca para uma série de empresas em Portugal mas para o novo Banco é o equivalente a uma nova injeção.”

No que diz respeito à TAP, José Gusmão adianta “nós somos contra o modelo da privatização porque a TAP tem um efeito estratégico na economia portuguesa” acrescentando “as empresas públicas devem ser geridas de forma diferente das privadas.”

 

 

Veja também...

Histórico de Notícias

« Janeiro 2023 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31