Revista de Imprensa

Comentário semanal do eurodeputado Nuno Melo aos microfones da Rádio Campanário (c/som)

Revista de Imprensa 15 Abr. 2021

Na Revista de Imprensa desta quinta-feira, 15 de abril, contámos com o comentário do eurodeputado Nuno Melo, do partido CDS.

O fim do estado de emergência e a decisão instrutória do juiz Ivo Rosa quanto à Operação Marquês foram os temas abordados.

Quanto à 3ª fase de desconfinamento, Nuno Melo comenta que ''o comportamento das pessoas não ajuda'', o que é a realidade mais forte. ''Infelizmente, parece que a tendência neste momento é para o aumento das contaminações e não para a sua diminuição'', afirma. ''Vamos, para já, ficar pelo desejo, e o desejo é coletivo, que possa ser o último estado de emergência'', comenta o eurodeputado com alguma esperança. 

A decisão instrutória de Ivo Rosa tem gerado uma insatisfação enorme quanto à justiça portuguesa. ''É um caso muito triste, e particularmente muito grave, começando pelo juiz'', o qual é suposto que traduza o sentimento de uma comunidade, de acordo com Nuno Melo. 

''O que para mim é muito grave é que, realmente, o juiz Ivo Rosa não traduz enquanto julgador a comunidade de que faz parte'', salientando que o juiz é ''alguém que não consegue traduzir o sentimento da comunidade a que pertence''.

Seguno Nuno Melo, trata-se de decisões mal compreendidas, divulgadas e alteradas pelos tribunais superiores, ou seja, ''não só o juiz Ivo Rosa choca a comunidade a que pertence, com as decisões'' como também os tribunais superiores que admitem essas decisões, o que é particularmente grave, explica.  

''Alguém que foi o Primeiro-Ministro do país, que, em factos, que estão comprovados, mostra um comportamento miserável de quem faz tudo aquilo que um político não poderia ser'', e no final tem uma prescrição, é muito grave e triste, comenta o eurodeputado.

 ''Quem rouba um pão, é ladrão; quem rouba um milhão, é barão - e assim vamos vivendo nestre triste Portugal'' - Nuno Melo

Para Nuno Melo, são vários os valores essenciais no ser humano, mas o principal é a honestidade. ''Portanto, José Sócrates, acho que irá ficar em Portugal ao exemplo de tudo o que é mau na justiça''. 

Após a decisão final, o eurodeputado acha que ''poderão agora usar o seu dinheirinho e dos seus amigos, em casas e bens, em tudo aquilo que em condições normais devia ser entregue ao estado''. Mas não, ''enquanto qualquer desgraçado, qualquer contribuinte faz para pagar cada ano as suas dívidas ao fisco'', temos quem não o faça, o que é ''uma decisão absurda e incompreensível'', anuncia.  

Veja também...

Histórico de Notícias

« Dezembro 2021 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31