Alentejo

Comentário semanal do eurodeputado Nuno Melo aos microfones da Rádio Campanário (c/som)

Revista de Imprensa 30 Set. 2021

Na Revista de Imprensa desta quinta-feira, dia 30 de setembro, contámos com o comentário do eurodeputado Nuno Melo, do CDS-PP.

Foram vários os temas abordados, nomeadamente o rescaldo das Eleições Autárquicas 2021, a substituição do Chefe de Estado Maior da Armada e, por último, a imagem externa de Portugal no que diz respeito aos crimes de colarinho branco.

Relativamente ao primeiro tema, os resultados das eleições autárquicas 2021, o eurodeputado Nuno Melo referiu “surpreendeu os resultados de Lisboa tendo em conta o que eram os estudos de opinião existentes e que davam a vitória a Fernando Medina o que não se veio a verificar pois Carlos Moedas acabou por vencer, com uma diferença de 2000 votos.”

Para Nuno Melo, pode ter contribuído para este resultado “o triste episódio de Arroios, que se traduziu numa imagem do pior da política.”

Para o Eurodeputado “tendo em conta que nas últimas eleições autárquicas o PS tinha tido o melhor resultado de sempre, portanto seria expectável que nestas eleições os executivos mudassem de mãos e houve, de facto, uma mudança de opções com a perda de autarquias significativas para o PS, principalmente a favor da coligação PSD/CDS-PP, da CDU também para o PS.”

De acordo com o nosso comentador “não houve uma radical alteração, mas houve casos singulares muito interessantes de serem analisados.”

No que diz respeito ao segundo assunto abordado a possível substituição do Chefe de Estado Maior da Armada, António Mendes Calado, o eurodeputado Nuno Melo considera “nós temos um governo que é absolutamente incompetente” acrescentando ainda “o governo é desleixado em assuntos fundamentais do estado. Falamos das foças armadas cujas competências estão muito bem definidas e que são competências do Presidente da República.”

Para Nuno Melo “Temos um governo que trata o país como se fosse uma quinta sua, em relação à qual põe e dispõe, sem noção” acrescentando “o que não pode acontecer é o governo passar por cima de competências que são do PR para conseguir vinganças pessoais, e correr com quem não gosta.”

“As coisas não se fazem assim, as pessoas têm dignidade e têm que ser tratadas com respeito”, concluiu o Eurodeputado.

Relativamente ao terceiro tema, a imagem externa de Portugal no que diz respeito aos crimes de colarinho branco, o Eurodeputado Nuno Melo referiu “é mais do que previsível que assim aconteça porque neste país, entre José Sócrates e casos como o de João Rendeiro, as coisas não podiam ser mais elucidativas, mais tristes, demonstrativas de como a política, à banca, aos tribunais, há muito que tem que ser feito.”

Nuno Melo termina dizendo que, como é o povo que escolhe, “vai sendo altura de abrirem os olhos e pensar que um partido político não é um clube de futebol e as pessoas más, pela circunstância de se candidatarem por um partido político, não merecem ser eleitas.”

 

 

 

 

 

 

 

Veja também...

Histórico de Notícias

« Novembro 2021 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30