16 novembro, 2018
Augusta Serrano;
Firmamento da Noite
22:00-04:00

Conteúdo dos projetos de lei da Eutanásia “tem erros” ao “fazer confusão com a dor física e a dor extrema”, diz António Costa da Silva (c/som)

Publicado em Revista de Imprensa 28 maio, 2018

O deputado António Costa da Silva, eleito pelo círculo de Évora do PSD à Assembleia da República, no seu comentário desta segunda-feira, dia 28 de maio, começou por falar da despenalização da Eutanásia, que será discutida no parlamento amanhã, através de 4 projetos de lei apresentados por PAN, BE, PS e PEV. O deputado comentou ainda a possível paralisação dos camionistas e o congresso do PS que decorreu o passado final de semana.

Sobre o primeiro tema, António Costa da Silva esclarece que é “contra a eutanásia”, por vários motivos. Primeiro uma delas está relacionada com “a gestão de todo este processo”, que “não tem grande discussão ao nível da população”, nutrindo o sentimento de que “isto passou à margem daquilo que é o sentimento da população”. Por outro lado, “aquilo que está na lei, tem erros”, considerando o deputado que “é mais uma vez, o mau exemplo que, caso passasse, o Parlamento dá à Democracia”. Concretizando que “tem erros do género, fazer confusão com a dor física e a dor extrema”.

“Há várias coisas que se confundem nos diferentes diplomas, e na minha perspetiva foram feitos sem qualquer rigor e com grande consistência”, remata o social-democrata que afirma sentir-se “esclarecido para votar contra” e ainda “mandatado pelo eleitorado que votou em mim para votar contra”. Apesar posição favorável de Rui Rio, considerando que “isso não tem mal nenhum”.

Ainda sobre esta questão, o deputado do PSD confessa ter “dúvidas que seja uma matéria que tivesse que ser referendada, sinceramente”, apesar de “o único partido que, efetivamente, no seu programa eleitoral, colocou referências à eutanásia foi o PAN” e “por isso, é fundamental que este tema seja discutido com as pessoas”.

No que diz respeito à possível greve, ou paralisação dos camionistas em Portugal, à imagem do que aconteceu há dez anos ou que está a acontecer atualmente no Brasil, António Costa da Silva diz que “o mais importante é o que está na base dessa greve”, que é “precisamente o preço dos combustíveis” e o “agravamento do imposto sobre os produtos petrolíferos em cima do preço do petróleo”, implementado pelo atual governo, que se tinha “comprometido que caso existisse aumento do preço do petróleo (…) o governo desagravaria o ISP [Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos e Energéticos] e o governo mentiu aos portugueses”.

Por isso, “tendo em conta este contexto e tendo em conta a debilidade da nossa própria economia e das empresas, os camionistas estão cheios de razão”. Além disso, “este imposto agrava precisamente a vida das pessoas do interior”, realça o deputado.

Por fim, sobre o congresso do PS, que decorreu durante o último final de semana, António Costa da Silva diz que “no meio de muito populismo, que chega a ser assustador, o PS encobre a sua história, encobre a sua verdadeira história” de “quando foi governo e levou o país à banca rota”. Já sobre a perspetiva de uma possível maioria absoluta para António Costa nas próximas eleições, o social-democrata diz que “a sorte não dura para sempre”.

Veja também...

Histórico de Notícias

« Novembro 2018 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30