Alentejo

A mecanização da agricultura reduziu a mão de obra 21% desde 2015, mas aumentou a produção

Regional 26 Fev. 2020

As grandes explorações agrícolas do Alentejo já foram responsáveis por milhares de empregos, quer sazonais, quer fixos.

Nos dias que correm a mecanização está a deixar as grandes explorações sem agricultores, exemplo disso é a perda, em 4 anos, de um quinto dos trabalhadores.

O setor agrícola emprega cerca 271 mil pessoas, menos 71 mil que em 2015, sendo a esmagadora maioria, agricultores por conta própria.

O número de novas empresas agrícolas está também a diminuir, ao mesmo tempo, os encerramentos tornam-se mais frequentes, pese embora o rendimento médio mensal dos trabalhadores agrícolas ter aumentado 17%.

A tendência não é exclusivamente portuguesa, ela acompanha o que se passa na União Europeia, onde o emprego agrícola caiu 30% nos últimos 15 anos.

Embora a mão de obra tenha diminuído, a agricultura nacional está a produzir cada vez mais, reforçou as exportações e é responsável por alguns dos melhores produtos do mundo.

Este facto está relacionado com a modernização cada vez maior nos trabalhos agrícolas, onde antes se recorria a mão de obra, hoje são as máquinas e a tecnologia de ponta que reinam.

No Alentejo, a vinha e o olival, são hoje culturas totalmente mecanizadas, que sem as máquinas e as novas tecnologias estariam condenadas, pois a mão de obra escasseia.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Agosto 2020 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31