01 Fev. 2023
Augusta Serrano;
Firmamento da Noite
22:00-04:00

Alentejo

Adiado julgamento dos sete militares da GNR do posto de V.N.Milfontes!

Regional Escrito por  29 Set. 2022

Marcado para ter início na próxima segunda-feira, 3 de outubro, foi adiado o início do julgamento dos sete militares da GNR do posto de Vila Nova de Milfontes acusados de 33 crimes de sequestro, ofensas à integridade física e abuso de poder, perpetrados contra cidadãos asiáticos.

De acordo coma informação avançada pelo Lidador Notícias, o julgamento foi adiado e sem  agendamento de nova data, devido ao facto de terem sido sucessivamente adiados remarcados julgamentos com presos preventivos.

O início do julgamento estava agendado para a próxima segunda-feira, 3 de outubro, no Tribunal de Beja, mas o magistrado titular do processo, decidiu-se pela suspensão, uma vez que há diversos processos com presos preventivos que têm vindo a ser reagendados face aos vários períodos de greve dos Guardas Prisionais, que não permitem transportar os arguidos para o tribunal, adianta a mesma fonte.

Os militares da Guarda, com idades compreendidas entre os 26 e os 33 anos, foram suspensos de funções pela então ministra da Administração Interna, Francisca Van Dumen, depois da Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) ter aberto em 17 de dezembro de 2021 processos disciplinares aos envolvidos, que estão acusados de 33 crimes de sequestro, ofensas à integridade física e abuso de poder, perpetrados contra cidadãos asiáticos.

Recorde-se que os sete militares da GNR, que se encontram provisoriamente suspensos de funções, foram acusados pelo Ministério Público (MP) de 33 crimes, como abuso de poder, sequestro e ofensa à integridade física qualificada. 

A 10 de março, dia em que foi lida a decisão instrutória, o Tribunal de Odemira (Beja) decidiu que os sete elementos iriam ser julgados.

A abertura da fase de instrução foi pedida por Rúben Candeias, o arguido acusado de mais crimes, 11, tendo a juíza do Tribunal de Odemira, de acordo com a decisão instrutória, decidido não o pronunciar por um dos seis crimes de ofensa à integridade física qualificada de que estava imputado.

No entanto, Rúben Candeias vai a julgamento pronunciado pelos restantes 10 crimes, isto é, cinco crimes de ofensa à integridade física, quatro de abuso de poder e um de sequestro.

Segundo a decisão instrutória, os restantes seis arguidos vão a julgamento pelos mesmos crimes pelos quais estavam pronunciados.

Os militares Nelson Lima, Diogo Ribeiro e Nuno Andrade são acusados de cinco crimes cada um, nomeadamente um de abuso de poder e quatro de ofensa à integridade física qualificada.

O militar João Lopes é acusado de três crimes, um de abuso de poder, um de ofensa à integridade física qualificada e um de sequestro.

Já os arguidos Carlos Figueiredo e Paulo Cunha são acusados de dois crimes cada um, nomeadamente um de abuso de poder e um de ofensa à integridade física qualificada.

Segundo a acusação do MP, o processo envolve quatro casos de sequestro e agressão de imigrantes por militares da GNR, então colocados no Posto Territorial de Vila Nova de Milfontes, em Odemira, ocorridos entre setembro de 2018 e março de 2019.

Na acusação, o MP considerou que todos os militares envolvidos no processo agiram por “caprichos torpes”, com “desprezo” e “em manifesto ódio” pelas nacionalidades das vítimas, oriundas da região do Indostão.

A 17 de dezembro, a Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) abriu sete processos disciplinares aos militares e instaurou um inquérito para apuramento de responsabilidades disciplinares do comandante do posto onde aqueles exerciam funções.

 

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Fevereiro 2023 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28