Imprimir esta página

Alto Alentejo

Afluente Alentejano do Tejo praticamente seco devido ás políticas hídricas espanholas

Afluente Alentejano do Tejo praticamente seco devido ás políticas hídricas espanholas DR
Regional 14 Nov. 2019

O jornal espanhol “El Confidencial” considera que Espanha fez algo sem precedentes naquilo que respeita às enormes quantidades de água que a última barragem espanhola deixou passar para tentar cumprir a Convenção de Albufeira, em 20 dias.

Escreve o jornal espanhol que “a região mais pobre de Portugal está condenada à ruína absoluta”, e que os portugueses responsabilizam Espanha.

O Tejo, maior rio da Península Ibérica, nasce na serra de Albarracín, em Madrid. Só em Espanha, tem 58 barragens. Sedillo é a última e está encaixada praticamente toda em território português, em Portalegre e Castelo Branco, mas é gerida pela eléctrica espanhola mais poderosa.

O alcaide de Cedillo, explicou à “SIC” que “Espanha foi libertando o caudal exigido, mas quando chegou a setembro declararam estado de emergência por seca e tiveram de libertar tudo o que não tinham libertado durante o ano hidrológico”. Ou seja, em duas semanas, Espanha terá deixado passar mais de 400 hectómetros cúbicos pela barragem de Cedillo, o que baixou drasticamente o Tejo Internacional.

 

O Tejo vive a pior seca de que há memória, os afluentes Ponsul (Beira Baixa), e Sever (Alto Alentejo) estão sem água devido à falta de chuva e ás políticas hídricas espanholas.