Imprimir esta página

Portalegre

Associação de Estudantes denuncia falta de condições da Escola Secundária de S. Lourenço

Regional 11 Jun. 2021

A Associação de Estudantes (AE) da Escola Secundária de S. Lourenço, em Portalegre, denunciou esta sexta-feira a falta de condições físicas do estabelecimento de ensino, que foi renovado entre 2008 e 2009 pela Parque Escolar, que «colocam, diariamente, a segurança da comunidade escolar em perigo», conforme foi avançado pelo Jornal do Alto Alentejo.

Em comunicado, a AE, em representação de cerca de 600 alunos e de toda a comunidade educativa, expõe que «ao longo destes 12 anos, tanto as “intervenções pontuais de reparação” como as “intervenções programadas de conservação e manutenção” têm sido sucessivamente adiadas e/ou canceladas até à data catual, levando a sucessivas e insistentes queixas por parte de toda a comunidade escolar».

Através do relato da presidente da AE, Margarida Raposo, pode ler-se, «ano após ano, vejo na nossa escola, bolor, humidade, baldes e panos por toda a instituição (durante o inverno). Neste último, a situação escalou de uma forma assustadoramente rápida: num dos corredores mais movimentados do edifício, onde todos os dias passam centenas de pessoas, tiveram de ser retirados dois pedaços de teto falso por se encontrarem na iminência de colapsar, pondo, desta forma, em causa a integridade dos utilizadores do espaço escolar»,  manifestando a preocupação da comunidade escolar.

Ainda de acordo com o relato, «14 portas de emergência encontram-se atualmente fechadas a cadeado, por estarem em perigo iminente de cair caso sejam abertas, numa escola com laboratórios, salas de eletrotecnia e oficinas de arte», ou seja, «locais de risco, aliados a uma falta de acessos de emergência completamente inimaginável, apenas podem dar resultados desastrosos», alerta.

Afirma ainda verificar-se o «incumprimento do contrato estabelecido entre a Parque Escolar e o Estado Português, bem como a ausência de resposta às reclamações e pedidos de intervenção da Direção da ESSL».

Numa tentativa de tentar minimizar os perigos, Associação de Estudantes decidiu implementar algumas medidas, nomeadamente «informar a empresa em questão de que, caso não se observasse uma resposta assertiva com a calendarização das intervenções de manutenção que urgem na nossa Escola, no prazo de duas semanas», seria tornada pública esta situação, denunciando a insegurança com que diariamente centenas de alunos, bem como professores, auxiliares, e toda uma comunidade escolar frequentam os espaços físicos deste estabelecimento de ensino.