09 Dez. 2021
Augusta Serrano;
Firmamento da Noite
22:00-04:00

Reguengos de Monsaraz

Baja TT: Gustavo Gaudêncio, Luís Engeitado e Gonçalo Guerreiro vencem em Reguengos de Monsaraz (c/fotos)

Regional 06 Out. 2021

Gustavo Gaudêncio (Honda) nas motas, Luís Engeitado (Yamaha) nos quad e Gonçalo Guerreiro (Can-Am) nos SSV foram os grandes vencedores da 33ª edição da Baja TT Capital dos Vinhos de Portugal que se disputou por pistas concelhos de Reguengos de Monsaraz, Redondo e Évora. A Prova alentejana organizada pela SAR Motorismo estendeu-se ao longo de três dias com prólogo um rapidíssimo e uma dupla passagem num troço de 144 quilómetros, seco e com pó no sábado, molhado e escorregadio no domingo. Centena e meia de concorrentes entre motos, quads e SSV é um record para esta temporada, conforme nota de imprensa enviada à nossa redação.

Na competição moto, Gustavo Gaudêncio em Honda, piloto do Team Bianchi Prata, que este ano faz o seu regresso às competições depois de uma ausência de cinco anos, regressou aos triunfos absolutos com o anterior datado de 2008. Gustavo Gaudêncio ganhou a prova com uma moto da classe TT1. O campeão António Maio começou por ser o mais rápido no prólogo, mas no dia seguinte seria forçado a abandonar ainda antes de entrar para o troço com uma avaria na sua moto.

No prólogo Gustavo Gaudêncio gastou mais 3’’ que Maio e foi o primeiro classificado entre os TT1. Na terceira posição ficou o piloto local Bruno Borrego em KTM, o primeiro da classe TT3, que gastou mais oito segundos que António Maio. No top5 ficaram dois jovens promissores: João Duarte (Yamaha) e Miguel Castro (KTM) respetivamente segundos da classe TT1 e TT2.

Com a desistência de Maio e a ausência de Bruno Santos, de partida para Marrocos, Gustavo Gaudêncio assumiu-se no comando da corrida. No segundo lugar estaria o piloto de Reguengos Bruno Borrego a 1m38s depois de ter liderado a maior parte da etapa, mas tendo ficado sem os aparelhos de velocidade acabaria por sofrer uma pesada penalização. Assim o 2º lugar era ocupado por João Duarte com o consagrado David Megre em KTM em 3º lugar. No derradeiro dia de prova João Duarte que partira com uma desvantagem de 4m35s para o líder da prova atacou forte tendo ganho 1m22s nos primeiros 45 km antes da sua moto ter tido uma avaria que o impediu de prosseguir.

Salvador Amaral, em Honda, no seu primeiro ano de Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno, terminou em segundo lugar, ganhou a classe júnior e foi segundo na classe TT1. Paulo Santos, igualmente em Honda, foi o vencedor entre os veteranos e da classe TT3. Um pódio absoluto integralmente Honda como já não se via há muito tempo. Miguel Castro, em KTM, também a fazer o seu primeiro ano de CNTT ficou em quarto e venceu a classe TT2. Quinto lugar para o consagrado David Megre em KTM que encerrou o top5.

Mário Patrão foi o 2º entre as TT2 e venceu entre os inscritos para o campeonato da europa. Sétima posição para Óscar Miguel, em Beta, que terminou a corrida muito contrariado ao saber de uma penalização de 4’ sem a qual teria subido ao pódio absoluto e triunfado entre os veteranos. Na classe promoção triunfou João Pires em Yamaha.

Entre os quad o campeão nacional Luís Engeitado protagonizou uma disputa aguerrida com Luís Fernandes. O piloto do Team Arnaldo Martins foi o mais rápido no prólogo foi 2º em SS1 e partiu para o derradeiro dia a 46s do campeão nacional. Uma avaria impediu-o de terminar e assim o piloto da Yamaha Buemotor levou a melhor e somou mais um triunfo reforçando o primeiro lugar do campeonato.

Segundo lugar para Rafael Carvalho em Yamaha que venceu a classe promoção. Terceira posição para Luís Pimenta. O piloto do Moto Clube de Góis venceu entre os pilotos inscritos para o Campeonato da Europa de Bajas. Quarto posto para Carlos Reguinga em Yamaha que venceu entre os veteranos. Quinto lugar para Nelson Raposo igualmente em Yamaha. A checa Nelly Caisová (Yamaha) foi a única senhora a enfrentar a prova.

Entre os SSV Gonçalo Guerreiro tem 20 anos, mas já vai na sua terceira temporada na mais competitiva das disciplinas de todo-o-terreno em Portugal. Conseguiu em Reguengos de Monsaraz a sua primeira vitória absoluta entre os SSV numa corrida onde demonstrou uma enorme maturidade. O piloto da JB Racing, que venceu ainda a classe júnior, conseguiu manter a rapidez num derradeiro dia de prova em que as condições meteorológicas se alteraram substancialmente. Abriu a pista tendo atrás de si o campeão nacional a escassos 11s, não cometeu erros, a máquina não falhou e saiu vitorioso.

Roberto Borrego, que ganhara duas das três provas do CNTT Road to Dakar anteriormente disputadas, foi o mais rápido no prólogo. Espetacular o segundo tempo alcançado pelo veterano Arnaldo Monteiro, com apenas mais 1,9s. Os quatro pilotos que se seguiram ficaram separados por menos de dois segundos. Terceira e quartas posições para os juniores Gonçalo Guerreiro e Alexandre Pinto. A fechar o Top 5, o campeão nacional João Dias. Sexto lugar para o veterano Pedro Carvalho seguido por Lourenço Rosa e pelo líder do campeonato, João Monteiro e pelo campeão júnior Luis Cidade.

Ao final do segundo dia de prova saltou para a liderança Gonçalo Guerreiro separado do campeão João Dias com escassos 11s a separar o piloto da JB Racing do seu adversário da Benimoto Racing. Até CP2 (Km 77,33) estava, todavia, a ser a ser outro jovem, Alexandre Pinto, a liderar. A terceira posição era ocupada pelo líder do campeonato João Monteiro, que já distava 2m02s do líder da prova. Nas posições seguintes estavam Pedro Carvalho, o ex-campeão Pedro Santinho Mendes e o piloto auto Pedro Ferreira. Para se perceber bem a enorme competitividade desta corrida basta assinalar que no mesmo minuto que Pedro Ferreira estavam mais cinco pilotos: Nélson Caxias, Romeu Martins, Vitor Santos, David Rodrigues e Lourenço Rosa.

No derradeiro dia de prova Gonçalo Guerreiro cedo ficou um pouco mais confortável pois problemas na máquina de João Dias impediram o campeão de continuar a atacar com estava a fazer desde que arrancou. Alexandre Pinto era então o mais rápido em prova e em CP1 já tinha ascendido do 16º lugar em que partira ao 8º lugar. Também em franca recuperação Roberto Borrego que arrancara para a derradeira etapa em 13º lugar surgia como o mais rápido em CP2 11s à frente de Alexandre Pinto. Os dois ascendiam ao 5º e ao 7º lugar respetivamente. Todavia Alexandre voltou a ser vítima de problemas limitando-se a rolar até final. Borrego, contudo, mantinha uma cavalgada impressionante e a 33 km do final já estava apenas a 47s do 2º lugar. Na frente Gonçalo Guerreiro tinha uma confortável vantagem de mais de dois minutos.

Com Roberto Borrego a ter de levantar o pé, depois de sentir problemas no veio central – ganhando mesmo assim o troço com uma vantagem de 3’ para o 2º classificado - acabou por ser o seu companheiro de equipa Pedro Carvalho a assegurar o 2º lugar.

João Monteiro terminou em 3º lugar a 18’’ do 2º lugar. Ganhou por 5’’ a Roberto Borrego na luta muito acesa que os dois travam pelo campeonato. O 5º lugar foi um mal menor para o campeão João Dias que ambicionava chegar à vitória. Nélson Caxias em 6º continua a confirmar uma notável rapidez.

Depois de algumas corridas menos conseguidas Pedro Ferreira, um piloto que mostrou um enorme valor nos auto conseguiu finalmente um bom desempenho nos SSV. O ex-campeão Pedro Santinho Mendes foi oitavo e os veteranos Arnaldo Monteiro e Romeu Martins completaram este Top 10 integralmente preenchido por veículos Can-Am. Com o 1º júnior e o 1º veterano a ocuparem as duas primeiras posições absolutas, a dupla Rui Franco/Ricardo Batista (Yamaha) triunfou na Classe TT2. Na classe promoção venceu João Plácido em Can-Am, navegado José Sá Pires. A dupla local António e Patrícia Cuco igualmente em Can-Am triunfou na Classe Stock

Na Taça Yamaha YXZ1000R Mário Franco foi o mais rápido no prólogo. A dupla André Rodrigues/Ricardo Porto Nunes ascendeu ao 1º lugar após SS1. Em SS2 Mário Franco recuperou a liderança até meio da etapa, mas Luís Caseiro acabou por ser o vencedor da classe open. A dupla formada por Francisco Palmela e Lauro Joaquim triunfou na classe stock.

O CNTT está de regresso de 15 a 17 de outubro quando se disputa a estreante Baja TT do Oeste que terá Torres Vedras como centro nevrálgico.

Classificações após quatro provas

Motos: 1º António Maio (Yamaha), 86 pontos; 2º Gustavo Gaudêncio (Honda), 75; 3º Bruno Santos (Husqvarna) 61; 4º Mário Patrão (Husqvarna), 42; 5º Salvador Amaral (Honda), 39; 6º Oscar Teixeira (Beta), 24.

Quads: 1º Luís Engeitado (Yamaha), 83 pontos; 2º Rafael Carvalho (Yamaha), 61; 3º Fábio Ferreira (Yamaha), 50; 4º Luís Fernandes (Yamaha), 49.

SSV: 1º João Monteiro (Can-Am), 74 pontos; 2º Roberto Borrego (Can-Am), 69; 3º Pedro Carvalho (Can-Am), 47; 4º Gonçalo Guerreiro (Can-Am) e João Dias (Can-Am), 40; 6º Alexandre Pinto (Can-Am), 36; 7º Nelson Caxias (Can-Am), 30; 8º Nuno Fontes (Can-Am) e Romeu Martins (Can-Am), 26.

Equipas: 1º SGS Car Racing, 135 pontos; 2º Team Bianchi Prata Honda, 102; 3º Benimoto Racing, 92; 4º JB Racing, 91; 5º Sharish Gin/South Racing, 86; 6º Team Arnaldo Martins - Gallos Group – Goldspeed, 38; 7º Grupo Santag / JPRMotors / Pedrinha, 33; 8º Caxiauto, 32.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Dezembro 2021 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31