Imprimir esta página

Mourao

Banhistas regressam à Praia Fluvial de Mourão, já adaptada à nova realidade (C/FOTOS E SOM)

Regional 06 Jul. 2020

O ano 2020 está a ser profundamente afetado a nível mundial pela pandemia COVID-19. As atividades do quotidiano tiveram de ser adaptadas à nova realidade que o Mundo atravessa, incluindo as atividades de lazer.

O Verão é sinónimo de praia e convívio e tudo isso pode continuar a ser feito, desde que sejam respeitadas as regras sanitárias. A 15 de maio o Primeiro-Ministro António Costa apresentou ao país as regras de utilização das praias e piscinas ao ar-livre, como corredores de circulação de sentido único, lotação controlada por semáforos e obrigatoriedade de manter um distanciamento mínimo de 1,5 metros entre banhistas e 3 metros entre chapéus de sol ou toldos.

A Rádio Campanário esteve este domingo na Praia Fluvial de Mourão, que abriu ao público a 20 de junho. Todo este espaço foi preparado com todas as normas de segurança emitidas pela Direção-Geral de Saúde para poder receber os banhistas. Em todas as entradas existem dispensadores com álcool-gel para a desinfeção das mãos, nos chapéus de sol é cumprido o distanciamento físico e os próprios banhistas cumprem todas as regras impostas - há distanciamento de segurança e cuidados redobrados de higiene.

A nossa emissora falou com Ricardo Pereira, nadador-salvador das Praias de Monsaraz e Mourão, que conta que a praia teve pouca afluência até finais de junho, mas “tornou-se mais frequentada desde a reabertura das fronteiras. Têm vindo mais turistas espanhóis e temos notado maior afluência em termos de chapéus de sol e toldos ocupados e até mesmo de pessoas dentro de água”. Ricardo Pereira salienta que “as pessoas têm cumprido todas as regras de segurança sanitária”.

Quanto à monitorização da praia, no que diz respeito à sua ocupação, o nadador-salvador refere que na praia fluvial de Mourão “temos tido ajuda de pessoas do STAFF de Mourão” e que essa monitorização é feita “à nossa medida ocular”, admitindo que é difícil “apenas dois nadadores-salvadores conseguirem dar conta de tanta gente”.

Ricardo Pereira conta que já tiveram de mudar a cor do semáforo nas zonas balneares: “em Monsaraz tivemos logo no primeiro dia metade da lotação e em Mourão também tivemos nos primeiros fins-de-semana mais de metade da lotação, mas nunca chegámos à bandeira vermelha”.

O nadador-salvador admite que a Praia de Mourão tem tido mais afluência em relação à Praia Fluvial de Monsaraz, muito por causa do surto de COVID-19 que assola o concelho de Reguengos de Monsaraz “e devido a isso [os banhistas] preferem ir um bocadinho para mais longe, para Mourão ou outra praia fluvial”.