Borba pode ocorrer em qualquer lado, mas as probabilidades são sempre maiores numa região com os indicadores do Alentejo

Regional 19 Jan. 2019

"...das 34 unidades, em exploração ou abandonadas, a precisarem de intervenção imediata (“nível de prioridade elevado”), 21 estão na planície alentejana (contra seis no Norte, quatro no Centro, duas em Lisboa e Vale do Tejo e uma no Algarve). Nada é fruto do acaso, claro. Das 308 pedreiras das classes 1 e 2 existentes no Alentejo — as duas de Borba envolvidas na derrocada são de classe 2, pois tendo menos de 25 hectares possuem, entre outras características, profundidades superiores a 10 metros —, só 9%, ou seja, uma em cada dez, estão devidamente licenciadas. Uma em cada quatro (26%) estão em fase de licenciamento; e praticamente dois terços (64%), embora licenciadas, “não cumprem as atuais obrigações administrativas de licenciamento”.

Noutro parâmetro, também o Alentejo está no fundo do poço. Nas mais de três centenas de pedreiras da região, em cerca de metade (48%) a atividade está “suspensa sem autorização ou abandonada”. E olhando para a suspensão ou abandono somente nas 191 pedreiras em estado crítico, dos 28 casos em todo o país 17 encontram-se no Alentejo. Uma derrocada como a de Borba pode ocorrer em qualquer lado, mas as probabilidades são sempre maiores numa região com os indicadores do Alentejo".
 

Fonte: jornal Expresso 

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Dezembro 2019 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31