Imprimir esta página

Borba pode ocorrer em qualquer lado, mas as probabilidades são sempre maiores numa região com os indicadores do Alentejo

Regional 19 Jan. 2019

"...das 34 unidades, em exploração ou abandonadas, a precisarem de intervenção imediata (“nível de prioridade elevado”), 21 estão na planície alentejana (contra seis no Norte, quatro no Centro, duas em Lisboa e Vale do Tejo e uma no Algarve). Nada é fruto do acaso, claro. Das 308 pedreiras das classes 1 e 2 existentes no Alentejo — as duas de Borba envolvidas na derrocada são de classe 2, pois tendo menos de 25 hectares possuem, entre outras características, profundidades superiores a 10 metros —, só 9%, ou seja, uma em cada dez, estão devidamente licenciadas. Uma em cada quatro (26%) estão em fase de licenciamento; e praticamente dois terços (64%), embora licenciadas, “não cumprem as atuais obrigações administrativas de licenciamento”.

Noutro parâmetro, também o Alentejo está no fundo do poço. Nas mais de três centenas de pedreiras da região, em cerca de metade (48%) a atividade está “suspensa sem autorização ou abandonada”. E olhando para a suspensão ou abandono somente nas 191 pedreiras em estado crítico, dos 28 casos em todo o país 17 encontram-se no Alentejo. Uma derrocada como a de Borba pode ocorrer em qualquer lado, mas as probabilidades são sempre maiores numa região com os indicadores do Alentejo".
 

Fonte: jornal Expresso