baixo alentejo

Distribuidoras Alentejanas pedem 4.1 milhões de euros de indeminização à Central de Cervejas

Publicado em Regional 10 maio, 2019

A empresa Carlos Romeiro, Lda, com sede em Vila Nova de São Bento, concelho de Serpa, e Candeias & Filho Lda, com sede em Boavista dos Pinheiros, concelho de Odemira, distrito de Beja, exigem em tribunal à Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) indeminizações num total de 4.1 milhões euros por prejuízos causados ao cessar unilateralmente contratos de distribuição.

O pedido de indeminização de 1.3 milhões de euros da Carlos Romeiro, Lda, já se encontra em julgamento, enquanto que o de 2.8 milhões de euros da Candeias & Filho, Lda, tem data prevista de inicio a 28 de junho no Tribunal de Beja.

As duas empresas foram distribuidores independentes oficiais exclusivos de bebidas da SCC durante 18 anos, a Carlos Romeiro, Lda. entre 1999 e abril de 2017, nos concelhos de Serpa, Moura, Barrancos e Mértola, e a Candeias & Filho, Lda. entre 1999 e março de 2017, nos concelhos de Odemira, Ourique e Almodôvar, no distrito de Beja.

Os gerentes referem que a SCC informou que iria terminar os contratos com distribuidores independentes e passar a fazer a distribuição das suas bebidas diretamente, através da sua nova empresa Novadis.

A SCC informou a Carlos Romeiro, Lda. sobre a cessão unilateral do contrato em janeiro, deu-lhe um prazo de três meses e tirou-lhe a distribuição em abril de 2017, disse Carlos Romeiro, referindo que a empresa perdeu atividade, clientes e "65%" da faturação, que, em 2016, o último ano completo do contrato, tinha sido de "2,2 milhões de euros".

A empresa "tem vindo a restruturar-se e virou-se mais para adistribuição de produtos congelados", que, atualmente, representa 90% do negócio, mas "está a ter dificuldades em manter-se", disse Carlos Romeiro.

A SCC informou a Candeias & Filho, Lda. sobre a cessão unilateral do contrato em dezembro de 2016, deu-lhe um prazo de três meses e tirou-lhe a distribuição em março de 2017, referiu Carlos Candeias, referindo que a empresa perdeu atividade, clientes e "entre 70% e 80%" da faturação, que, em 2016, o último ano completo do contrato, tinha sido de "3,1 milhões de euros".

A Candeias & Filho, Lda. mantém-se no negócio de distribuição de bebidas, mas de outras marcas, e teve de aumentar o portefólio de vinhos e águas e também está a ter "dificuldades", disse Carlos Candeias.

Ambos os gerentes referem a perda de competitividade, clientes e receitas, quando em 2012 a SCC aumentos os preços das bebidas.

Devido aos prejuízos decorrentes da perda de competitividade, primeiro, e da cessação do contrato, depois, a Carlos Romeiro, Lda. teve de dispensar nove dos 22 funcionários que tinha em 2012 e, atualmente, tem 13.

Já a Candeias & Filho, Lda. não despediu ninguém, porque tal implicaria pagamentos de indemnizações, já que são trabalhadores muito antigos na empresa, mas tem um encargo muito grande com os 10 funcionários que tem atualmente.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Junho 2019 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30