Evora

Do inquérito ao Centro Distrital da Segurança Social de Évora resultou “uma mão cheia de nada”, diz pres. do Instituto da S.S. (c/vídeo)

Publicado em Regional 23 julho, 2019

Em maio do presente ano, uma reportagem da TVI denunciou que o diretor do centro distrital da Segurança Social de Évora, José Ramalho, organizou festas para os funcionários em horário de expediente. Nesse seguimento, o ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, mandou instaurar um processo de avaliação, ficando o Instituto da Segurança Social encarregue de averiguar o caso.

Questionado sobre o assunto pelo deputado do CDS-PP Filipe Anacoreta Correia em audição na Comissão de Trabalho e Segurança Social, Rui Fiolhais, presidente do Instituto da Segurança Social, declara que “a situação de Évora é uma mão cheia de nada”.

O dirigente critica a forma “sensacionalista, mediática, muito preocupada com a ideia de causar uma impressão na opinião pública” com que têm sido abordados “assuntos relacionado com a esfera da gestão pública”, contribuindo para “demolir gradualmente os alicerces do Estado de Direito”.

“Não há nenhuma organização que possa gerir os seus trabalhadores de chicote na mão e num quadro de silêncio”
Rui Fiolhais

A averiguação interna já foi feita, “e a única coisa que há é aquilo que acontece em qualquer organização do século XXI”, aponta, defendendo que a “forma de organização e gestão de recursos humanos de Évora” permite que seja o centro distrital com a maior evolução positiva “do ponto de vista dos seus resultados de gestão”.

As conferências realizadas pelo Centro Distrital de Évora e que são alvo do processo, “poder-se-á discutir se foram feitas na hora certa ou na hora incerta, mas […] contribuíram objetivamente para que os níveis de sentimento de pertença da filiação e os resultados de produtividade daquele centro distrital sejam invejáveis”.

“É misturar verdade com menos verdade, fazer um cocktail e servir”
Rui Fiolhais

O presidente do Instituto da Segurança Social afirma saber “exatamente onde estavam e a que horas estavam” os funcionários do centro, apontando que “é apresentado como verdade universal que as pessoas estavam na hora de serviço”, podendo não corresponder à realidade. Reconhece que numa ocasião, estes “saíram um bocadinho mais cedo” para viajarem até Setúbal, onde por volta das 18h30 participaram de uma “situação humanitária num hospital”.

“Em que é nos tornámos de repente? No que é que nos tornámos do ponto de vista civilizacional?” questiona, defendendo que “fazermos disto um furacão e termos posições públicas musculadas relativamente a esta matéria é valorizar excessivamente”.

Rui Fiolhais declara que “há uma averiguação que está concluída e que será apresentada à tutela”, e que “é com consciência tranquila” que diz “que em Évora não se passou nada que possa chocar”, podendo haver contudo, “um aspeto ou outro que possa ser censurável”, admite.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Agosto 2019 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31