Imprimir esta página

Evora

Évora: PSD acusa autarquia de inércia em relação à situação de seca

Henrique Sim-Sim, vereador na Câmara Municipal de Évora e Presidente da Concelhia de Évora do PSD Henrique Sim-Sim, vereador na Câmara Municipal de Évora e Presidente da Concelhia de Évora do PSD Foto: Rádio Campanário
Regional Escrito por  11 Ago. 2022

A concelhia de Évora do Partido Social Democrata (PSD), liderada por Henrique Sim-Sim, está preocupada com a situação "de seca severa e extrema" que se vive na região do Alentejo e em praticamente em todo o país. Numa nota enviada, hoje, à Rádio Campanário o PSD afirma que "o Município de Évora mantém-se impávido e sereno face a esta situação, sem atuar preventivamente com medidas cautelares para promover a boa gestão e a poupança generalizada de água."

Para a Concelhia de Évora do PSD “apesar do abastecimento público à cidade poder ser reforçado por Alqueva, a situação geral é grave e o Município já devia ter em curso uma ampla campanha de sensibilização para a poupança de água, evitando desperdícios e gastos supérfluos, deveria estar a trabalhar com os principais consumidores, públicos e privados, para encontrar formas de diminuir os grandes consumos, e deveria estar a investir na infraestrutura para reduzir as enormes perdas. É essencial que o Município execute já os investimentos previstos e, se possível, antecipe também outros investimentos de substituição das condutas mais problemáticas da rede em baixa, a qual continua com grandes perdas.

Por outro lado, o PSD gostaria que o Executivo desse "orientações às suas equipas técnicas para a imediata preparação dos dossiers de candidatura a fundos comunitários, por forma a garantir o financiamento para o investimento avultado que o concelho precisa, resultado de anos sem qualquer intervenção séria."

Nas reuniões de Câmara, o PSD afirma que "tem vindo insistentemente a questionar e a alertar o Executivo CDU nas sucessivas reuniões de Câmara sobre estas questões", no entanto, "a inércia dos autarcas comunistas mantêm-se, os meses passam e nenhumas medidas são tomadas.", concluem os sociais-democratas.