Alentejo

Expropriação de terrenos para a nova Linha de Évora, “são um mal necessário para o bem de todos”, diz pres. da I.P. (c/som)

Publicado em Regional 15 setembro, 2019

A nova Linha de Évora, constituída pelos troços Évora Norte/Freixo, Freixo/Alandroal e Alandroal/Linha do Leste, terá uma extensão total de cerca de 100 quilómetros. Para a sua construção, foi necessário expropriar centenas de terrenos das populações alentejanas.

Em declarações a esta estação emissora, António Laranjo, presidente da Infraestruturas de Portugal, declara que as expropriações “são um mal necessário […] para o bem de todos”.

Aponta que “são sempre situações em que mexe com a sensibilidade das pessoas, com o património familiar”, mas que a empresa desenvolveu o processo visando “o menor impacto para cada uma das famílias”.

“Expropriações são um mal necessário, não conseguimos fazer obra sem que ela seja feita”
António Laranjo

O dirigente salienta que a “obra servirá um conjunto enormíssimo de municípios e de populações”, sendo que sem expropriar terrenos, não seria possível realizar obra.

A empresa tentou fazer as expropriações “da forma mais amigável e pacífica possível”, tendo assim decorrido na maior parte dos casos necessárias para a nova Linha de Évora. Ainda assim, alguns casos requereram “outra via nomeadamente litigiosa”.

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Outubro 2019 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31