Saude

Greve dos enfermeiros “não pôs em causa a prestação de cuidados de saúde”, diz presidente da ARS Alentejo (c/som)

Regional 15 Set. 2017

Os enfermeiros portugueses têm vindo a propor ao Ministério da Saúde, a atualização gradual dos salários, e a integração da categoria de especialista na carreira, pedido a que a entidade não acedeu.

Inconformados com a recusa do Ministério da Saúde, o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem (SIPE) e o Sindicato dos Enfermeiros (SE), marcaram uma greve para a presente semana, entre a meia-noite de segunda feira e a meia-noite de sexta-feira.

José Robalo, presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) Alentejo, em declarações à Rádio Campanário, afirma que a maior ou menor escala, “sempre que faltam profissionais, […] há impactos”.

Questionado sobre os efeitos da greve na prestação de serviços, diz que “esse impacto não pôs em causa […] aquilo que era mais importante em relação à prestação de cuidados de saúde, e não pôs em causa a saúde das populações”.

Segundo dados divulgados pelo Sindicato dos Enfermeiros, a nível nacional, a taxa de adesão à greve tem rondado os 80% a 90%, tendo resultado no adiamento de centenas de cirurgias.

 

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Outubro 2020 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31