Imprimir esta página

Alentejo

“Invisível” Um branco alentejano com uvas de uma casta tinta.

Publicado em Regional 25 abril, 2019

Vinho Invisível chegou às 500 mil garrafas em 10 anos Este é um branco alentejano com sucesso comercial e feito com uvas de uma casta tinta. 
 

Este  Vinho tem a sua  origem e contexto histórico dos blanc de noirs. A região de Champagne, situada no nordeste da França, é sinónimo de espumantes de qualidade. A associação é tão forte que muitos associam esse local com a criação do estilo; no entanto, documentos encontrados na Abadia de St Hilaire, em Limoux, sul da França, datados no ano de 1531, constituem as evidências mais antigas associadas a este estilo de vinho. O primeiro espumante da região de Champagne tem origem em 1690. Conta-nos a história que um monge benedictino foi ouvido chamando entusiasticamente os seus companheiros para o porão da Abadia de Hautvillers sob o pretexto: ‘‘Irmãos venham, estou vendo estrelas”, referindo as pequenas borbulhas evidentes no vinho.

Em 2008, Duarte Leal da Costa, dos vinhos Ervideira, comprou umas garrafas estrangeiras e deu-as a provar ao seu enólogo, Nelson Rolo.

O desafio foi aceite e ao longo de um ano foi trabalhar neste desafio e  apresentar um vinho branco com aromas de uma casta tinta, no caso a Aragonês. O mercado nem teve tempo de estranhar, visto que o vinho entrou rapidamente em moda na companhia de comida asiática, cá dentro e lá fora.