03 Dez. 2020
Augusta Serrano;
Firmamento da Noite
22:00-04:00

O peixe-mão-liso tornou-se o primeiro peixe ósseo oficialmente extinto

Regional 24 Out. 2020

O peixe-mão-liso foi declarado extinto mais de 200 anos depois de ter sido capturado o último exemplar, ao fim de décadas a ser procurado, sem sucesso.

Incapaz de saber que estava prestes a conservar o último exemplar da espécie, o naturalista francês François Péron colocou um espinhoso peixe australiano num frasco, em 1802, com intenção de o expor no Museu de História Natural de Paris.

Conhecido como peixe-mão-liso, a espécie Sympterichthys unipennis foi declarada extinta este ano pela Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza. O último exemplar conhecido foi precisamente o de Péron. Contudo, os investigadores dedicaram décadas ao estudo extensivo da biodiversidade marinha australiana, antes de declararem, com toda a certeza, que a espécie estava extinta.

O que resta do animal, apanhado algures na costa sudeste da Tasmânia, encontra-se exposto no Museu de História Natural de Paris. Com uma barbatana dorsal sobre a cabeça – que faz lembrar uma crista punk – e olhos esbugalhados, o peixe-mão-liso bateu recordes ao tornar-se o primeiro peixe ósseo extinto nos tempos modernos.

Sobre o desaparecimento da espécie, citado pelo Guardian, Graham Edgar, um biológo marinho da Universidade da Tasmânia, acredita que “não é possível indicar esta ou aquela causa particular”.

Desde a colonização, que se tem assistido a uma diminuição substancial da fauna e flora. Sete espécies de animais não são avistadas há mais de 20 anos e, no caso específico da Tasmânia, três espécies encontram-se listadas como criticamente ameaçadas (o peixe-mão-vermelho, peixe-mão-manchado e o peixe-mão-de-Ziebell).

Graham Edgar avança que a ‘tempestade perfeita’ de ameaças, que vai desde dragagens que destroem populações de vieiras e ostras ao escoamento de sedimentos industriais e às alterações climáticas, podem explicar a perda de biodiversidade.

“Cerca de 40% das espécies de recifes pouco profundos no sul da Tasmânia estão a mostrar um rápido declínio populacional. Todo o sistema marinho do sudeste mudou substancialmente nos últimos 100 anos”, explica o professor universitário.

 

(Fonte: Revista Visão)

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Dezembro 2020 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31