Imprimir esta página

Sao Vicente e Ventosa

Padre que não compareceu na procissão em São Vicente e Ventosa defende-se: “São anticristãos e que são contra a igreja” (c/som)

Publicado em Regional 03 maio, 2017

Decorreu no passado dia 1 de maio, a tradicional romaria em honra de Nossa Senhora da Ventosa, na freguesia de São Vicente e Ventosa, Elvas, mas sem a presença do pároco António Carlos que deveria ter presidido à procissão.

A Rádio Campanário falou com o Padre António Carlos que nos explicou o motivo da sua ausência neste ato religioso, que é organizado pela Associação de Festas e Animação de São Vicente e Ventosa, Associação esta que não chegou à fala com o pároco “tal como nos anos anteriores, a Comissão de Festas, nem sequer se dignou a procurar-me para marcar o horário da procissão”, segundo o pároco “não se trata uma pessoa que está à frente de uma paróquia, ou de outra entidade pública, através de recados de terceiros” e que lhe chegavam as informações através de terceiros no contexto de “digam ao padre que a procissão é às 9”.

Segundo o Padre António Carlos nenhum representante da Associação de Festas e Animação de São Vicente e Ventosa, entidade organizadora da romaria, chegou à fala com ele.

António Carlos é pároco há oito anos e até agora “nunca me recusei” a celebrar “tudo se combina com o tempo porque eu não tenho só São Vicente, tenho outros trabalhos, era uma segunda feira e eu poderia ter marcado outro horário, podia ter um funeral e não podia ter ido”.

O Sacerdote mostrou ainda o seu desagrado por Nossa Senhora da Ventosa ser transportada numa carrinha de caixa aberta e diz ser “porque as pessoas que fazem este tipo de romaria não aparecem, para levar o andor” e que este vai como se “fosse um desfile”. O pároco recorda-se dos anos anteriores em que os fieis que compareciam a esta procissão e que levavam o andor da padroeira “na mão” (em ombros) esta situação começou a acontecer desde há dois anos “porque não aparece ninguém, inclusive a Comissão da Festa”.

Para o Padre António Carlos a Associação de Festas e Animação de São Vicente e Ventosa, tratou-o com “falta de dignidade e de respeito” uma vez que ele se desloca todo as quintas feiras e domingos a São Vicente e mora em Santa Eulália “poderiam me telefonar e combinar as coisas de outra maneira” e que “no meu sistema de trabalho isso não funciona”. O pároco foi informado deste horário “uns dois ou três dias antes” e que a sua agenda “já estava ocupada e tinha intensão de propor que se alterasse um pouco o horário da procissão porque eu não podia às nove, poderia ser às nove e meia”, não houve diálogo e que os elementos que compõem a Associação “nem sequer lá aparecem, nem na procissão nem na missa”.

O pároco refere ainda que “mal conhece” os elementos da Associação de Festas e Animação de São Vicente e Ventosa porque “quer na festa de Agosto, quer na festa de Maio eles nunca aparecem, mudam e eu não sei quem são”.

O pároco considera que os elementos da Associação de Festas e Animação de São Vicente e Ventosa “são anticristãos e que são contra a igreja” e que “são pessoas que não participam nas coisas da igreja”.

Depois deste incidente o Padre António Carlos irá continuar a presidir e acompanhar as cerimonias religiosas da freguesia de São Vicente e Ventosa uma vez que a população não tem culpa “são pessoas que eu estimo muito, que gosto muito, pessoas de idade e que me estimam imensamente”.