28 Nov. 2021
Augusta Serrano;
Firmamento da Noite
22:00-04:00

Reguengos de Monsaraz

Reguengos de Monsaraz apresenta Carta Arqueológica com mais de 4.500 entradas em inventários nacionais

Regional 12 Ago. 2021

Carta Arqueológica de Reguengos de Monsaraz teve mais de 4.500 entradas arqueológicas em inventários nacionais

A apresentação pública da Carta Arqueológica do concelho de Reguengos de Monsaraz vai decorrer no dia 15 de agosto, pelas 10h, no Salão Nobre dos Paços do Concelho. Nesta sessão vai estar Paula Amendoeira, Diretora Regional de Cultura do Alentejo, António Valera, responsável pelo Núcleo de Investigação em Arqueologia da ERA Arqueologia, e os arqueólogos que elaboraram a carta arqueológica, nomeadamente Rui Mataloto, André Pereira e Manuel Calado, conforme nota de imprensa enviada à RC.

A arqueologia do concelho de Reguengos de Monsaraz foi uma das mais intensamente estudadas na segunda metade do século XX, criando um enorme repositório de informação, muitas vezes sem o grau de precisão e detalhe possíveis de obter hoje. Para a elaboração deste documento a equipa de especialistas efetuou mais de 4.500 entradas arqueológicas em inventários nacionais e percorreu mais de 1.500 quilómetros a pé pelo concelho.

A salvaguarda do património arqueológico passa hoje, em boa medida, pelas entidades municipais de ordenamento do território e pela ação direta de uma comunidade ativa e participativa, mas também desperta para o seu passado e identidade coletiva. Neste contexto, a realização de uma Carta Arqueológica municipal torna-se muito mais que a criação de mais um documento de ordenamento do território, constituindo igualmente um repositório da história local e da identidade coletiva. No fundo parte da alma de um território.

A informação reunida e escrutinada será posteriormente vertida para os instrumentos locais de gestão do património, nomeadamente o Plano Diretor Municipal, mas também para uma edição que permita a todos uma visão global sobre o património. O território do concelho, pela sua extensão, riqueza e diversidade, desde muito cedo atraiu e fixou as vivências humanas, deixando marcas mais ou menos visíveis na paisagem, dando-lhe a espessura única dos milénios. 

Do Paleolítico à Medievalidade são já conhecidos centenas de sítios arqueológicos, vivendo este território máximo dinamismo há 5.000 anos, quando foram erguidos mais de uma centena de megálitos e foi aberto o grande recinto de fossos dos Perdigões. Todavia, numa paisagem em grande transformação, sinal do dinamismo humano e económico, importa identificar, caracterizar e proteger este património arqueológico para que as gerações futuras retenham o seu sentido identitário. 


 

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Novembro 2021 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30