21 Jan. 2022
Augusta Serrano;
Fadistices
20:00-21:00

Santiago do Cacém

Santiago do Cacém terá a maior central solar do país com investimento de mil milhões

Regional 12 Nov. 2021

Encontra-se em fase de avaliação de impacte ambiental um projeto para uma central solar em Santiago do Cavém, que quando for concluída vai ser a maior a operar em Portugal, tendo 1.242 megawatts (MW) de potência, superando assim a capacidade da atual, com 220 megawatts.

Segundo avança o Jornal Económico, esta central, com o nome de THSiS, vai representar um investimento de mil milhões de euros pelos promotores, a Sunshining, sociedade portuguesa detida pelos espanhóis da Iberdrola e pela Prosolia Energy.

O projeto vai ser implementado numa área de 1.245 hectares, na união das freguesias de São Domingos e Vale de Água, numa zona do Alentejo litoral.

Este megaprojeto não foi selecionado nos leilões solares de 2019 e 2020, mas faz parte de um lote de acordos diretos com a REN e a E-Redes: empresas promotoras que querem construir centrais solares, sem direito a tarifa subsidiada, e que têm de suportar os custos para ligar as centrais à rede. Em outubro de 2020, a REN revelava que tinha recebido mais de quatro mil pedidos (no valor total de 270 gigawatts) para ligar as suas centrais à rede elétrica.

A construção desta mega central solar vai contar com 2.500 trabalhadores nas suas várias fases. A central tem um prazo de execução de quase dois anos, 22 meses, com uma vida útil prevista de 30 anos.

O projeto encontra-se atualmente na fase de avaliação de impacte ambiental, e em consulta pública, depois de ser reformulado para integrar as várias exigências feitas pela comissão de avaliação da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), com este período a terminar a 24 de novembro.

Na sua avaliação ao projeto, os promotores destacam as mais valias do projeto: “produção de energia a partir de uma fonte renovável sem emissão de gases como efeitos de estufa; reflexos positivos ao nível dos objetivos estabelecidos pelo país, definidos no Plano Nacional de Energia e Clima para 2030 (PNEC); benefício indireto nas populações e atividades económicas servidas, assim como no arrendamento dos terrenos; reduzida emissão de ruído”; entre outros.

Em termos de impactes negativos, é destacada a “desorganização da paisagem e diminuição da qualidade visual pela presença das infraestruturas”; “redução dos padrões de calma originais, com alterações no comportamento de algumas espécies que utilizam a área”.

Este projeto supera em muito a atual maior central solar existente em Portugal, a Solara 4 localizada em Alcoutim, distrito de Faro, com 220 megawatts (MW) espalhados por uma área descontínua de 320 hectares, recentemente inaugurada.

A central, sem direito a tarifas subsidiadas, em Martim Longo vai ter a capacidade para abastecer anualmente uma cidade com 200 mil habitante, por exemplo, cidades como Braga (181 mil) ou a Amadora (175 mil).

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Janeiro 2022 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31