×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 63
JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 68

Evora

UÉ é a única instituição de ensino portuguesa no Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Rurais

Regional 03 Dez. 2020

O Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Rurais, fundado em 2018, tem como objectivos primários a normalização de procedimentos e a partilha de conhecimentos. Com um orçamento na ordem dos 24,6 milhões de euros, investidos em formação e na melhoria e construção de infra-estruturas.

A Universidade de Évora é a única instituição de ensino portuguesa a integrar o projecto, aliando-se, assim, às Universidades de Huelva, Córdoba e Cádiz, aos municípios de Tavira, Monchique, Loulé e Castro Marim, à Comunidade Intermunicipal do Algarve, à Junta da Andaluzia, às fundações Once e Finnova, à estação biológica de Doñana e ao Instituto Nacional de Investigação Agrário espanhol.  Conforme declarações de Nuno Guiomar, membro do CILIFO e investigador na Universidade de Évora , ao jornal Público  “embora o centro tenha uma sede, o centro é um grande projecto transfronteiriço que vai para além de uma infra-estrutura física”, explica  e acrescenta traqtar-se de "um conjunto “vasto e heterogéneo” de entidades que permite discussões alargadas e “direccionadas para a procura de ferramentas ou indicadores que possam melhorar a resposta nos diversos sectores no ciclo de gestão dos incêndios".

Com uma fronteira terrestre comum que se estende por 1214 quilómetros, Portugal e Espanha – que figuram com frequência nos primeiros lugares dos tops de países da União Europeia com maior área ardida – dispõem, juntamente com uma boa relação diplomática, de todas as condições necessárias para um entendimento proveitoso nos protocolos de cooperação entre as respectivas entidades de protecção civil no que concerne à partilha de meios humanos e de combate, avança o jornal.

No entanto, os dois lados parecem apostados em elevar esta partilha para um nível mais elevado, sendo o Centro Ibérico de Investigação e Combate aos Incêndios Rurais (CILIFO) um exemplo dessa mesma aposta.

Desde a sua fundação, no ano de 2018, o centro conta com dois artigos científicos publicados e prepara actualmente a publicação de um relatório. No entanto, o que há a ressalvar, segundo o investigador e especialista na área dos fogos, é a transferência entre países e comunidades dos conhecimentos alcançados – “na categorização da severidade do fogo, que pode auxiliar nos processos de decisão para a recuperação das áreas ardias, e na caracterização da vegetação, que pode facilmente ser incorporada em modelos de decisão na pré-supressão”.

Comparando a evolução e a história recente das florestas dos dois países, Nuno Guiomar defende que as diferenças são poucas, embora Portugal reúna “um conjunto de condições favoráveis para a acumulação de combustíveis, o que, num território com verões secos e onde se registam muitas ignições” é meio caminho andado para o insucesso. De facto, os grandes incêndios que se registaram em Portugal no ano de 2017 mostram que o país está um passo à frente na história, com Espanha a verificar “agora níveis de perigosidade mais elevados” e, consequentemente, semelhanças com aquele que foi o percurso português. Como “cada fogo tem a sua história”, Portugal, defende o académico, “tem mais para ensinar”.

Em comum, os dois países têm também, segundo o antigo membro da Autoridade Florestal Nacional, “um marcado abandono dos territórios de produtividade marginal”, que são “deixados depois de algumas tentativas de gestão”. “Acabam por contribuir para tentativas de conectividade, por parte da vegetação, promovendo ligações com perigosidade devido à acumulação de combustível ao longo da paisagem.” 

Perspectivando o futuro do CILIFO, o investigador suspeita que o trabalho desenvolvido possa ter “despertado o interesse para que se aumente o nível de cooperação transfronteiriço”, pelo que é “provável que o projecto se prolongue no tempo com outros tipos de financiamento. Desde a sua fundação, o centro dispõe de um orçamento total de 24,6 milhões de euros (dos quais 75% são financiados pelo programa Interreg Espanha-Portugal 2014-2020)​, sendo que a vasta maioria foi investida na criação e melhoria de infra-estruturas de apoio ao combate de fogos rurais. No território português, as intervenções aconteceram nos heliportos de Monchique e Tavira, na base de helicópteros de Loulé, no heliporto de Tavira e na unidade de formação de Castro Marim – os últimos construídos de raiz. Servem sobretudo para “diminuir o tempo de intervenção”.

 

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Janeiro 2021 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31