Evora

Universidade de Évora com projeto inovador para detetar microrganismos que deterioram o património

Publicado em Regional 12 dezembro, 2017

O Laboratório Hercules da Universidade de Évora está a desenvolver uma nova ferramenta inovadora que permite a identificação de microrganismos invasores que deterioram o património cultural.

De acordo com a informação divulgada pela Universidade de Évora (UÉ), com recurso a esta ferramenta considerada “inovadora”, vai ser possível “em apenas duas horas e meia e sem necessidade de intervenção de especialistas (…) identificar vários tipos de microrganismos em superfícies do património edificado e obras de arte”.

O protótipo da ferramenta já está elaborado, mas ainda está “na última fase de desenvolvimento”, para que “possa ser patenteado” ou para que seja “protegida a propriedade intelectual”, explicou a investigadora Marina González.

A investigadora esclarece ainda que o equipamento funciona através de fluorescência, com uma tecnologia denominada FISH (Hibridação Fluorescente In Situ), com algumas “inovações” que permitem aplicar o processo no património cultural “de forma rápida, simples e económica”.

Segundo Marina González, após o registo da propriedade intelectual, o passo seguinte será contactar empresas na área da conservação e restauro, que “possam estar interessadas na comercialização” deste instrumento e em “continuarem com este projeto”.

 

 

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Julho 2018 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31