Imprimir esta página

Evora

Universidade de Évora em projeto de rede iberoamericana de transportes urbanos

Publicado em Regional 13 fevereiro, 2019

A Universidade de Évora, recebeu esta terça-feira (11 de fevereiro) a apresentação da Rede Iberoamericana de Mobilidade e Transportes Urbano Sustentável (RITMUS) no âmbito do Programa CYTED 2018.

A sessão contou com a presença do Coordenador Geral da Rede RITMUS, Luis Manuel Navas, professor da Universidad de Valladolid e da Co​ordenadora da Rede RITMUS Portugal, Teresa Batista, professora da Universidade de Évora​.

As potencialidades desta Rede e o debate das questões do planeamento e mobilidade urbana sustentável nos diversos territórios foi o objetivo principal deste seminário. Discutir a mobilidade e sustentabilidade dos transportes, “numa era em que o crescimento global da população mundial é avassalador, e tendo as alterações climáticas como evidência, torna-se uma questão de sobrevivência”, sublinhou António Candeias, Vice-Reitor para a Investigação e Desenvolvimento da Universidade de Évora, parceira desta Rede.

O Vice-Reitor recordou que esta temática é uma prioridade para a Universidade, tendo em curso, entre outros, um projeto de mobilidade na cidade de Évora para a população académica que pretende fomentar o uso da bicicleta, reduzindo emissões e desanuviando o trânsito urbano.

Liderada por Teresa Batista, professora no Departamento da Paisagem, Ambiente e Ordenamento da UÉ, investigadora do Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas (ICAAM), especialista em análise espacial e responsável na Comunidade Intermunicipal do Alentejo Centro (CIMAC) pela área da Mobilidade e Transportes, a equipa de investigadores e técnicos, participam nesta rede cuja temática “merece cada vez mais reflexão e debate, no sentido de identificar bem as questões-chave e estabelecer diagnósticos, mas é sobretudo urgente resolver os problemas de mobilidade e de sustentabilidade dos transportes tanto nas grandes cidades, como nas regiões periféricas”, referem os investigadores. As previsões apontam que, em 2030, cerca de 60% da população mundial habite nas cidades, prevendo-se ainda o aumento de megacidades (com mais de 10 milhões de habitantes), bem como o crescimento de cidades médias latino-americanas, entre outros dados relevantes para a implementação de programas de mobilidade sustentável.

Com duração de 4 anos, participam 18 grupos de 14 países da América Latina neste Rede que tem como objetivo o desenvolvimento de uma análise regional das fontes de energia, tecnologias e infraestruturas relacionadas com o setor dos transportes na Ibero-América. Procura também estudar o nível de desenvolvimento das diversas estruturas de planeamento e gestão do transporte e a sua preparação para assumir as inovações em desenvolvimento, na busca de uma mobilidade mais eficiente e sustentável. Para isso, as ferramentas disponíveis serão oferecidas às partes interessadas e serão abertos fóruns de discussão onde se procurará a participação de entidades de I+D+i, empresas, governos e interessados na área em geral.