17.6 C
Vila Viçosa
Sábado, Abril 20, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Baixo Alentejo quer ser Cidade Europeia do Vinho 2026 para “projetar o território ao Mundo” diz Fernando Romba, CIMBAL(c/som)

Foi esta quarta-feira apresentada, na Bolsa de Turismo de Lisboa(BTL), a candidatura da Região do Baixo Alentejo a Cidade Europeia do Vinho 2026.

Trata-se de um projeto conjunto da CIMBAL-Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo e a Entidade Regional de Turismo do Ribatejo e Alentejo(ERT), e que envolve treze dos 14 municípios do Baixo Alentejo(excepção – Município de Odemira).

Fernando Romba, Secretário da Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo, em declarações à Rádio Campanário sobre a candidatura referiu-nos “com esta candidatura estamos a aproveitar as potencialidades do nosso território, temos 13 concelhos produtores de vinho e temos, a exemplo de outras regiões do País, vinho excepcional assim como outras características que nos diferenciam, nomeadamente a qualidade do nosso enoturismo , a oferta hoteleira existente e aquela que é a cereja no topo do bolo, o vinho de talha, com o solar nos concelhos de Cuba e Vidigueira, um vinho que do ponto de vista turístico está a ter muita aceitação, é um vinho único, baseado numa tradição milenar.”

Questionado pela Rádio Campanário em que fase se encontra o processo de candidatura, Fernando Romba adiantou “demos o pontapé de saída na BTL e iremos agora trabalhar com os diversos parceiros, com os produtores, com os nossos municípios, com a Entidade Regional  e com outras entidades ligadas ao negócio do vinho e do turismo, para preparamos uma candidatura que seja consistente, forte e acima de tudo ganhadora, pois é esse o nosso objetivo.”

No que diz respeito ao investimento necessário para a concretização deste desígnio, Fernando Romba realçou “temos contado com o apoio da ERT do Alentejo e Ribatejo para a elaboração do dossier de candidatura e imagem, a primeira fase será constituir a candidatura e depois, numa segunda fase, caso a candidatura seja aprovada,  aí sim, durante o ano 2025, tentar arranjar o financiamento necessário para levarmos a cabo um conjunto alargado de iniciativas que permitam projetar o nosso território.” Sobre valores concretos, o Secretário da Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo sublinha “neste momento ainda não podemos avançar com números.”

Questionado sobre a previsão temporal de entrega do dossier de candidatura, Fernando Romba esclareceu “há os prazos normais do dossier de candidatura e nós queremos antecipá-los por isso vamos trabalhar agora com todos os nossos parceiros para termos uma candidatura forte e que reflita as potencialidades do nosso território.” O secretário da CIMBAL sublinhou ainda, a este propósito “ainda não temos uma data fixada, estamnos ainda numa fase embrionária do processo mas contamos o mais rapidamente possível realizarmos passos firmes nesse sentido e penso que até ao final do corrente ano temos o dossier concluído e entregue para submeter à decisão dos órgãos próprios.”

Sobre a aceitação dos municípios do Baixo Alentejo a esta candidatura, Fernando Romba sublinhou “reuniu um grande consenso, nós independentemente da produção viníca em cada concelho , existe uma ligação grande do vinho ao nosso território , quer através da gastronomia, quer através do próprio Cante Alentejano , portanto existe um grande consenso entre os 13 municípios e os 13 autarcas para podermos projetar a nossa região com este “chapéu” do vinho.”

Em 2026, cabe novamente a Portugal acolher a organização da Cidade Europeia do Vinho, título que já foi atribuído ao nosso País, em 2015, através da cidade de Reguengos de Monsaraz.

Foto:@Vitifrades

Populares