35.4 C
Vila Viçosa
Quarta-feira, Maio 29, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Comunidade do Alto Alentejo já investiu cerca de 3ME em centro de serviços partilhado

Foto: Técnico de Lisboa

A Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo (CIMAA) já investiu “cerca de três milhões de euros” na implementação de um centro de serviços partilhados, para suportar as infraestruturas de computação e comunicação da administração local, foi hoje divulgado.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o presidente da CIMAA, Hugo Hilário, considerou que este centro é um “projeto estrutural” para o desenvolvimento do Alto Alentejo.

O projeto permite “modernizar e melhorar” a relação entre as entidades da administração local, os seus cidadãos e empresas, explicou.

“A sua relevância tornou-se superior especialmente no atual período pandémico, ao permitir o normal funcionamento das entidades, mesmo no cenário de teletrabalho, e com ganhos de qualidade nos serviços prestados”, sublinhou o autarca.

A CIMAA, que congrega os 15 municípios do distrito de Portalegre, explicou que este centro conta com a “localização física” naquela cidade e “redundância num segundo ‘site’”, em Elvas.

O projeto, iniciado em 2010, consiste num centro de dados informático, tendo ainda uma infraestrutura de comunicações intermunicipal que, com recurso a várias tecnologias de comunicação, “serve com segurança e redundância” toda a região do Alto Alentejo.

O projeto apresenta também soluções de virtualização de servidores e ambiente de trabalho, acesso remoto a aplicações, sistemas de atendimento multicanal e soluções de desmaterialização de processos.

A iniciativa, que conta com vários parceiros, como o Instituto Politécnico de Portalegre (IPP) e a Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, oferece ainda aos cidadãos e empresas diversos serviços geridos e operados de forma centralizada.

Entre os serviços prestados, este projeto, financiado por fundos comunitários e verbas dos orçamentos das entidades envolvidas, conta com pontos públicos de acesso a ‘wi-fi’, plataformas de conteúdos turísticos e culturais, painéis digitais informativos e interativos e serviços de bilheteira.

C/Lusa

Populares