12.6 C
Vila Viçosa
Domingo, Abril 14, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Descoberta Arqueológica em Évora: Azulejos seiscentistas no Mosteiro de Santa Mónica.

Um valioso conjunto de azulejos do século XVII foi descoberto, por Ricardo Morais Sarmento, durante uma intervenção arqueológica realizada entre 2018 e 2021 no antigo Mosteiro de Santa Mónica, em Évora. Esta descoberta assume particular importância devido à escassez de estudos prévios sobre este mosteiro, oferecendo agora uma oportunidade única para aprofundar o conhecimento sobre o património histórico e cultural da região.

O projeto de investigação focou-se na análise dos azulejos exumados, com o objetivo de realizar um estudo abrangente que engloba as dimensões cronológica, pictórica e arquitetónica. Esta abordagem permitirá compreender a relação original destes elementos decorativos com o edifício do mosteiro, além de explorar possíveis conexões com outras instalações de azulejos semelhantes na cidade de Évora.

Os azulejos, caracterizados pelos seus detalhes artísticos e importância histórica, representam não apenas uma manifestação estética da época, mas também uma fonte de informação sobre as técnicas de produção e os contextos culturais do século XVII. Através deste estudo, espera-se lançar luz sobre aspectos até agora desconhecidos do Mosteiro de Santa Mónica, enriquecendo assim o património cultural e histórico de Évora.

A investigação em curso promete contribuir significativamente para o entendimento da arquitetura e da decoração de interiores religiosos naquela época, bem como para o estudo da evolução urbana e artística de Évora. Espera-se que os resultados deste estudo não apenas valorizem o legado do Mosteiro de Santa Mónica mas também estimulem novas pesquisas sobre outros edifícios históricos da cidade, consolidando o estatuto de Évora como um centro de importância arqueológica e cultural.

A descoberta destes azulejos seiscentistas é um lembrete fascinante da riqueza escondida que espera ser explorada nos sítios históricos de Portugal, reforçando a importância da arqueologia na preservação e interpretação do nosso passado coletivo.

Populares