12.6 C
Vila Viçosa
Terça-feira, Maio 21, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Estremoz: Autarca afirma que quando assumiu funções, a Câmara “em termos financeiros era um acidente, mas com paciência forte hoje temos até dinheiro a prazo”

A Rádio Campanário questionou Luís Mourinha, Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, acerca da situação financeira da autarquia, ao qual o edil respondeu que “financeiramente estão bem”, o que significa o assegurar do pagamento aos fornecedores em menos de 30 dias.

Confrontando sobre a anterior gestão e divida camarária, o autarca referiu-se, especialmente, à penhora do carro do presidente por falta de pagamento, uma vez que nessa altura a autarquia tinha “ (…) os cofres vazios”. Segundo Luís Mourinha, “ (…) aquilo que era considerado a casa arrumada, estava completamente desarrumada, em termos financeiros era um acidente”.

Através da nova gestão, a Câmara conseguiu recuperar aos poucos e mostrar obra feita, algo possível através da simbiose entre “ (….) todos os membros do executivo que estão a tempo inteiro, e através de muitos funcionários”, revelou o autarca.

Sobre o atual estado da dívida, o Presidente da Câmara de Estremoz garantiu que a autarquia tem “ (…) dinheiro a prazo”, contudo, ainda mantém uma divida de longo prazo, que poderia ser abatida neste momento, porém a autarquia prefere investir esse dinheiro disponível. O autarca garantiu, ainda, que esta divida em nada afetará a Câmara uma vez que tema haver, sobretudo, com a banca.

Luís Mourinha, assegurou que se atualmente a autarquia recebesse “(…)tudo aquilo que tem a receber dos fundos comunitários teria um pé de meia de 1,5 milhões de euros, o que significa que daria para fazer 10 milhões de investimento nos próximos quatro anos”.

O edil avançou, ainda, a esta estação emissora, que os projetos que a autarquia tem em cima da mesa, no valor de 50 milhões, são no âmbito do Portugal 2020, e também de algum investimento privado, já estando mesmo a decorrer negociações para vários projetos no âmbito desses 50 milhões, desde a farmacêutica, aos enchidos e ao azeite.

 

Populares