23.2 C
Vila Viçosa
Domingo, Abril 14, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Eurodeputado João Pimenta Lopes fala sobre a eleição do Presidente da Assembleia da República, na Rádio Campanário(c/som)

Na rubrica Revista de Imprensa desta quarta-feira, na Rádio Campanário, o Eurodeputado João Pimenta Lopes, eleito pelo Partido Comunista Português (PCP), abordou a polémica eleição do Presidente da Assembleia da República.

O eurodeputado começou por nos referir “o que aconteceu é a evidência do panorama de incerteza e até de confronto da democracia que o reforço da direita e em particular de uma força de extrema-direita na AR vem introduzir no normal funcionamento e sobretudo naquilo que representa e que representará no futuro na resolução dos problemas concretos com que as pessoas se confrontam.” Para o Eurodeputado “este não é um bom pronúncio para o caminho que seria necessário implementar para resolver os problemas dos portugueses.”

João Pimenta Lopes, ainda sobre esta matéria, frisa “a resolução dos problemas das pessoas devia ser a prioridade; a nova composição da AR é a configuração de uma composição que não só representa a implementação de uma política de ataque a direitos laborais e sociais como de uma profunda instabilidade na situação política e do que daí pode resultar no comprometimento da normalidade democrática, do funcionamento das Instituições e das próprias liberdades que estão hoje tidas como garantidas.”

Sobre um possível acordo entre o PSD e o PS para a resolução desta questão, o Eurodeputado sublinha “esta situação também permitirá de certa forma criar aqui uma clarificação daquilo que são os posicionamentos de umas e de outras forças políticas na AR” evidenciando ainda “um entendimento entre PS e PSD não seria uma novidade , no essencial convergem naquilo que são as suas linhas programáticas e políticas implementadas, ainda que com algumas diferenças.”

“Estamos confrontados com uma novela no cenário político português e enquanto esta novela está a decorrer, os problemas continuam a agravar-se” concluiu o Eurodeputado.

Populares