20.9 C
Vila Viçosa
Sexta-feira, Maio 24, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Eurodeputado José Gusmão comenta a aprovação do fim das portagens das ex-scuts e as negociações com a PSP e GNR, na RC(c/som)

O Eurodeputado José Gusmão, do Bloco de Esquerda, comentou na revista de imprensa de hoje, a aprovação aprovação do fim das portagens das ex-scuts pelo PS e pelo CHEGA e as negociações do Governo com a PSP e GNR.

No que diz respeito ao primeiro tema, o Eurodeputado referiu “a reação do Governo é algo pitoresca porque o PSD prometeu durante a campanha acabar com as portagens ” acrescentando “este governo já se habituou tanto a, em poucos meses, quebrar as promessas que fazem campanha eleitoral que já fica irritado quando outros partidos se juntam para uma maioria não negativa mas positiva para cumprir as promessas eleitorais que o PSD queria quebrar.” Ainda a este propósito sublinha “já chegámos a este nível de despautério em que para o PSD cumprir as promessas eleitorais dos vários partidos é uma maioria negativa” reforçando que “todos os partidos que votaram esta matéria na AR comprometeram-se solenemente com os eleitores a acabar com as portagens, logo a única coisa que estes fizeram foi cumprir o compromisso que assumiram com os eleitores.”

No que se refere ao segundo tema, o Eurodeputado sublinha “todos os processos negociais funcionam desta forma, quanto muito o PSD pode ter-se esticado no que andou a prometer em campanha eleitoral aos profissionais das forças de segurança.” José Gusmão frisa ainda que “é verdade que as forças de segurança trabalham em condições muito específicas que não são comparáveis com as de outras carreiras da função pública, ou seja, é indiscutível que o trabalho das forças de segurança evolve uma componente de risco. e portanto essa vertente tem que ser contemplada do ponto de vista remuneratório.”

O Eurodeputado conclui salientando “o que eu penso é que pode estar em causa uma incompatibilidade entre o que o PSD andou a dizer e a prometer em campanha e as suas próprias medidas políticas e económicas.”

Populares