34.3 C
Vila Viçosa
Quarta-feira, Maio 29, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Jarno Gmelich Meyling vence 4ª Etapa da “Alentejana”, na chegada a Grândola (c/fotos)

Jarno Meijling venceu ao sprint, este sábado, 19 de março, a quarta e penúltima etapa da 34ª Volta ao Alentejo Crédito Agrícola, que terminou em Grândola. O holandês de 26 anos foi um dos homens que integrou a “fuga do dia,” logo à saída de Aljustrel, e deu, pelo segundo dia consecutivo, uma vitória à equipa Metec/TKH Continental. Os espanhóis Jose de Segovia(Louletano/Hospital de Loulé) e Garikoitz Bravo (Euskadi Basque Coutry/Murias) terminaram logo atrás.

Os três fizeram parte do grupo de corredores em fuga que a faltarem 40 quilómetros para a meta e com o pelotão já muito perto se lançaram determinados em chegar isolados a Grândola. Uma estratégia que agradou particularmente ao holandês, tendo referido que “os últimos quilómetros foram sempre a atacar, na subida para o Prémio de Montanha não senti dificuldade e no sprint final só tive de dar tudo e a todo o gás! Está a ser uma ótima experiência estar no Alentejo. As estradas são boas e a organização está de parabéns. Só não estou habituado a tanto sol [risos]”.

O norueguês Krister Hagen (Team Coop/OsterHus), que chegara à liderança da “Alentejana” na véspera, foi o primeiro do pelotão a cortar a meta na 11ª posição, a 32 segundos do vencedor. Apesar de perder tempo manteve o comando da prova e a faltar apenas mais uma etapa tem o objetivo traçado, salientando que “manter a Amarela, claro! As minhas pernas estão em forma, mas era bom conseguir entrar numa fuga pequena para não ter de sprintar nas metas volantes. Mas se tiver de o fazer para bonificar não me vou negar!”

Na classificação geral entre os primeiros e na luta pelas Camisolas da “Alentejana” está quase tudo na mesma. Krister Hagen veste a Amarela Crédito Agrícola pelo segundo dia consecutivo e o espanhol Enric Mas (Klein Constantia) segundo classificado, a um segundo de diferença, enverga a Camisola Branca RTP, símbolo da juventude. Destaque final para o português Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte) que se agarrou à Camisola Verde Escura CA Seguros do Rei dos trepadores no primeiro dia e que apenas amanhã saberá se a leva para casa.

Rafael Silva (Efapel) continua na quinta posição e é o melhor português da “Alentejana”.
No entanto, ainda o pelotão de 151 corredores não tinha “aquecido” a estrada e já havia história para contar na penúltima tirada da “Alentejana”. Pouco depois da partida em Aljustrel deu-se o ataque de 15 corredores que chegaram a ter uma vantagem máxima de 8 minutos para o pelotão (quilómetro 50). Entre estes homens o melhor classificado à geral era Krists Neilands (Axeon/Hagens Berman), a 1 minuto e 9 segundos do líder, que se destacou ao ganhar as Metas Volantes em Castro Verde, Odemira e Sines.

O enredo desta “longa-metragem”, onde o vento e a chuva também marcaram presença, terminou, em parte, a faltarem 40 quilómetros para a chegada quando o pelotão já estava muito perto de alcançar a fuga. Determinado Jose Segovia (Louletano/Hospital de Loulé) desferiu um ataque levando outros nove companheiros de fuga atrás. Foi esse grupo que acreditou que podia chegar a Grândola e, entre si, discutir o triunfo. O pelotão tudo tentou para se aproximar e o próprio líder da competição Krister Hagen (Team Coop/Oster Hus) tentou sair da coluna mas em vão.

As cenas do próximo capítulo ficam marcadas para Évora, cidade Património Mundial.

 

Populares