11.5 C
Vila Viçosa
Sábado, Junho 15, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Maior área de amendoais e nogueirais da Portugal Nuts estão no Alentejo

Decorreu no final da passada semana em beja, o  III Congresso, a Portugal Nuts – Associação de Promoção de Frutos Secos, que reuniu nesta cidade alentejana mais de 400 participantes, onde sob o tema central “Abraçar o Futuro” se discutiram assuntos relevantes e atuais para a produção de amêndoa e noz no país.

Em nota enviada á nossa redação, a organização realçou qure “a elevada participação, é um sinal da vitalidade desta associação e dos profissionais do setor dos frutos secos que, quer portugueses ou espanhóis, ouviram e debateram sobre a mudança climática, as questões da água, a sustentabilidade, a perspetiva da evolução dos preços mundiais e as tendências de consumo.”

No decorrer deste III Congresso , explica a mesma nota, “foi revelada a matriz dos associados da Portugal Nuts na apresentação dos dados recolhidos sobre a campanha de 2023. A área das plantações detida pelos 56 associados, correspondeu a 17.414ha de amendoal e 1.357ha de nogueiral. Corresponde a 25% da produção total do país, em ambas as culturas. “

Assim, e de acordo com o estudo efetuado, “os associados da Portugal Nuts têm a área dos seus amendoais repartida da seguinte forma: 73% no Alentejo, 15% na Beira Interior e 7% no Ribatejo e dos seus nogueirais em 70% no Alentejo e 25% no Ribatejo. Estas áreas contribuíram com 7.900t de miolo de amêndoa e 1.246t de noz em casca. Este estudo, também apurou que os associados da Portugal Nuts têm 522 postos de trabalho fixos nas suas atividades ligadas aos frutos secos.”

Estes números revelam que “metade da área de amendoal ainda não começou a produzir em 2023 (são plantações novas com menos de 3 anos e ainda estão em formação) o que irá significar que a produção de miolo de amêndoa em Portugal pode, pelo menos, triplicar nos próximos cinco ou seis anos, quando as atuais plantações atingirem o seu potencial máximo, passando das 20 mil toneladas de miolo de amêndoa que podem ter sido produzidas em 2023 para, em cinco ou seis anos, chegar às 60 mil toneladas.”

António Saraiva, Diretor Executivo da Portugal Nuts, a este propósito refere “A cultura do amendoal deve ser reconhecida como de importância estratégica para o país e necessita saber que há um claro apoio para o seu crescimento (dotações de rega adequadas, soluções fitossanitárias para fazer face à diminuição dos riscos de pragas e doenças, e regras do seguro de colheitas adaptadas às características desta cultura), por parte da Administração Pública”.

São objetivos da Associação de Promoção de Frutos Secos aumentar a sua representatividade agregando mais associados, melhorar as competências dos produtores nacionais e promover a produção nacional, com particular foco na cultura da amêndoa, já que Portugal estará entre os cinco maiores produtores mundiais, a muito curto prazo” acrescenta o dirigente da associação.

Populares