12.6 C
Vila Viçosa
Terça-feira, Maio 21, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

“Os cerca de 7 milhões de euros que serão lançados para requalificação de quarteis não chegam para nada”, diz Inácio Esperança, Presidente da Federação de Bombeiros do Distrito de Évora (c/som)

À Rádio Campanário o Secretário de Estado da Admnistração Interna, Jorge Gomes, anunciou que serão desbloqueadas algumas das verbas provenientes dos fundos comunitários destinadas à requalificação dos quarteis das Corporações dos Bombeiros e à aquisição de viaturas.

O Presidente da (FBDE), Inácio Esperança, reagiu a estas declarações assegurando que “ é uma boa notícia visto que há dois anos que estamos à espera dos fundos comunitários”. Sublinhando que “ a FBDE juntamente com o Comando de Operações de Socorro de Évora fez  um levantamento de necessidades,portanto,temos 12 milhões de euros para investir”.

Recorda que “quando nos disseram que no actual quadro comunitário que irá vigorar durante seis anos existiam 7 milhões de euros destinados às associações humanitárias de bombeiros ficamos muito decepcionados “.

Para Inácio Esperança “ os  cerca  de 7 milhões de euros que serão lançados para requalificação de quarteis não chegam para nada,porque neste momento já houve uma candidatura que envolve o montante de 46 milhões de euros para a remodelação de quarteis”.

Questionado sobre dificuldades enfrentadas pelas Corporações dos Bombeiros no pagamento das comparticipações nacionais, referiu que “ podemos afirmar que temos de facto algumas dificuldades financeiras  que temos conseguido ultrapassar  juntamente com as Câmaras, com as empresas e empresários da sua àrea de influência”.

Instado a comentar sobre a forma como algumas Corporações de Bombeiros podem fazer face ao pagamento dos 15 % de comparticipação nacional visto que existem algumas autarquias do distrito de Évora que se encontram numa situação de endividamento, o presidente da FBDE expressa que “ normalmente essas corporações têm adquirido viaturas, como aconteceu no caso de Évora em que no âmbito do quadro comunitário anterior, foram comprados dois veículos e que devido ao endividamento da Câmara Municipal  a comparticipação nacional foi feita na banca tendo os diretores e a associação contraído um empréstimo para liquidar o pagamento dos 15%  de comparticipação nacional”.

Populares