30.4 C
Vila Viçosa
Sábado, Julho 20, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Parlamento aprovou pesar pela morte de escritor eborense Luís Carmelo

LUSA/MÁRIO CRUZ

O parlamento aprovou hoje um voto de pesar pela morte do escritor Luís Carmelo, considerando que o poeta deixa “já muitas saudades aos admiradores da sua escrita e da sua entusiástica cidadania cultural”.

A iniciativa, apresentada pelo Livre, foi aprovada por unanimidade no parlamento.

Segundo a Agência Lusa, no texto é realçado o percurso profissional de Luís Carmelo, lembrado como “escritor, professor de escritores, criador de comunidades de leitores, editor, cidadão solidário e generoso”.

É também citado um excerto de ‘Visão Aproximada’, narrativa biográfica que foi um dos seus últimos livros sobre a natureza das relações entre a ficção e a realidade:

“Bem sei que a ficção é a vida. Quando finalmente acordaste eu desapareci e lá se foi a visão aproximada. Ficará agora apenas aquela outra visão que se vai arrastando cada vez mais de si. Talvez seja essa a alma da própria saudade.’ Deixa ele já muitas saudades aos admiradores da sua escrita e da sua entusiástica cidadania cultural”.

Vencedor do Prémio de Ensaio da Associação Portuguesa de Escritores (APE) 1988 com “A tetralogia lusitana de Almeida Faria”, Luis Carmelo morreu a 30 de abril, em Lisboa, aos 68 anos, disse à Lusa fonte próxima do escritor, sem precisar as causas da morte.

Autor de mais de 30 obras, Luís Carmelo nasceu em Évora em 25 de agosto de 1954 e doutorou-se na Universidade de Utreque, Holanda.

Cronista do Expresso e do jornal ‘Hoje Macau’, tem obra publicada na área do romance, poesia, ensaio.

O escritor foi ainda finalista do Prémio Literário Casino da Póvoa/Correntes d´Escritas em 2019, com o livro de poesia “Tratado”.

O romance “A falha” foi adaptado ao cinema por João Mário Grilo, em 2002, a partir de argumento escrito pelo realizador e por Luís Carmelo.

Na poesia, é autor das obras “Fio de prumo” , “Vão Interior do Rio”, “Ângulo Raso”, “Mymosidades”, editado pela sua própria editora, a Nova Mymosa, “As Mialgias de Agosto”, “Extintor de Achados”, “Tratado”, “Ofertório”, “Anatomia”, “O Pássaro Transparente”, “Lucílio”, “Biografia do Mundo” e “El Asombro Irrealizado”, uma antologia publicada em 2023 na Ciudad de México.

Luís Carmelo ensinava escrita e cultura na EC.ON Escrita Criativa Online, no Instituto Camões, na Universidade Aberta e no Âmbito Cultural El Corte Inglês.

 

 

Fonte: Agência Lusa

Populares