9.8 C
Vila Viçosa
Terça-feira, Abril 23, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

“Passar o Natal sozinho é triste mas mais triste ainda é ter uma reforma baixa e a comida estar cara” diz Tomé Laranjinho(c/som)

O Natal é a época do ano em que, por excelência, as famílias se reúnem e onde valores como a solidariedade, a partilha, a união ficam ainda mais vincados.

As conversas à lareira, a troca de presentes, o convívio, a oportunidade de matar saudades de quem está longe o ano inteiro, são oportunidades que se aproveitam nesta altura do ano, sempre com uma especial atenção voltada para duas faixas etárias em particular: as crianças e os mais idosos.

As crianças porque vivem a época natalícia com um encanto e a magia próprios da idade e os mais idosos porque pela fragilidade própria da idade, necessitam também de um acompanhamento diferente.

Apesar destes valores estarem implícitos nesta altura do ano, nem todas as pessoas conseguem viver o Natal da mesma forma ou com a mesma intensidade. A Rádio Campanário esteve na localidade de Foros da Fonte Seca, concelho de Redondo e falou com Tomé Rainho Laranjinho, de 87 anos, e fomos saber como é que passou este Natal.

Conta-nos que passou a noite de Natal em casa e sozinho. As circunstâncias levaram-lhe a companheira de uma vida para um Lar de Idosos o que fez com que o seu dia a dia seja vivido sozinho.

Cozinhou para si próprio, um pouco de galinha, e para ele foi uma noite como outra qualquer. Já está habituado a estar sozinho nesta noite porque desde que a mulher foi para o Lar que se perdeu a tradição de passar a noite de família em família.

Apesar de assim acontecer já há algum tempo, é sempre uma noite em que a falta de companhia o deixa mais triste. Ainda assim, conta-nos há coisas que o deixam ainda mais triste e diz-nos o seu desejo de natal: ter melhores condições de vida.

Com uma reforma baixa, queixa-se do nível de vida e desejava que “o Pão fosse mais barato, a comida mais barata e que não houvesse tanto gatuno”, muitas vezes queremos dinheiro para o que é essencial e “não temos”, sublinhando ainda as suas limitações de saúde.

Populares