15.9 C
Vila Viçosa
Quinta-feira, Maio 30, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

“Preços do azeite estão altos e poderá haver um pequeno aumento”, diz presidente do CEPAAL (c/som)

A produção de azeite no Alentejo tem vindo a aumentar com a expansão do olival, sendo ainda de prever que a produção nacional atinja valores históricos.

Em declarações à RC, Gonçalo Morais Tristão, Presidente da Direção do CEPAAL (Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Alentejo), afirma que o “aumento de produção se reflete sobretudo no Alentejo”, devido ao surgimento de vários hectares de olival intensivo e superintensivo.

Descreve a campanha de produção de azeite 2017/2018 como “belíssima”, uma vez que houve “muito mais” quantidade “do que se estava à espera”.

“É um grande ano para o azeite nacional”, sendo esperada uma produção de 120 mil toneladas, “um recorde absoluto de produção nacional”. Não conseguindo ainda precisar números para o Alentejo, relembra que a região é responsável por “75% da produção nacional […] talvez um bocadinho mais” uma vez que têm vindo a ser aqui plantados “grandes olivais, muito produtivos. A tendência do Alentejo é sempre em crescimento”, declara.

Nos últimos tempos, têm surgido na região “várias dezenas de milhares de hectares” que em muito contribuíram para que o aumento da produção se reflita “sobretudo no Alentejo”.

Estes números são influenciados não só pelo “aumento do olival intensivo e superintensivo (sobretudo)”, como pelo facto de haver um melhor cuidado dos olivais antigos, intensivos ou tradicionais. Estamos perante “um fenómeno de imitação dos bons olivais que foram instalados”.

Quando aos preços de venda do azeite, explica que apesar do aumento da produção, “é natural que se mantenham altos […] provavelmente pode haver até um pequeno aumento”, uma vez que “são muito dependentes de cotações internacionais” que são acompanhadas pelo país.

O CEPAAL tem cerca de 25 produtores de azeite associados, assim como entidades como a Universidade de Évora e os Institutos Politécnicos de Portalegre e Beja, organismos do Ministério da Agricultura e autarquias da região.

 

Populares