33.2 C
Vila Viçosa
Segunda-feira, Julho 22, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Provas e exames nacionais passarão a ser todos online a partir de 2025

dnoticias.pt

As provas e exames nacionais dos alunos do ensino básico em secundário, vão passar a ser feitas online a partir de 2025, segundo um plano do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE) que este ano arranca com um projeto-piloto em algumas escolas.

Segundo o Diário de Notícias, o IAVE já havia feito algumas experiências de realização de provas digitais mas agora, através de financiamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), vai avançar com o projeto DAVE- Desmaterialização da Avaliação Externa, que prevê que dentro de três anos todos os alunos do ensino obrigatório realizem as provas e exames nacionais em formato digital, contou à Lusa fonte do IAVE.

O modelo será testado já em junho em algumas escolas que estão a ser selecionadas para este projeto-piloto e a experiência amostral será com alguns alunos que vão realizar provas de aferição.

No próximo ano letivo, as provas de aferição já serão realizadas em formato digital por todos os alunos do 2.º, 5.º e 8.º anos de escolaridade. De fora, vão ficar apenas as provas de Expressão Artística e de Educação Física.

No ano letivo de 2023/2024, será a vez dos alunos do 9.º ano realizarem também as provas finais de ciclo em formato digital. E no ano seguinte, segundo o calendário do IAVE, a ideia é que também os alunos do secundário troquem a caneta por um teclado para fazer os exames nacionais.

A fonte do IAVE recordou que a ideia não é nova, mas “exige bastante investimento”, o que será possível através do PRR, onde está inscrita uma verba de 12 milhões de euros para a desmaterialização das provas e dos exames, segundo avançou ontem o Jornal de Notícias.

Segundo o Ive, citado pelo Diário de Notícias, este projeto não é “uma mera transposição para o suporte digital de metodologias, didáticas e técnicas de avaliação analógicas e tradicionais, mas de uma mudança de paradigma”, que passa por “integrar e desmaterializar todos os procedimentos inerentes ao processo de avaliação externa das aprendizagens, desde o processo organizativo e logístico, até aos processos de elaboração das provas, da sua aplicação e classificação”.

 

 

Fonte: Diário de Notícias

Populares