Imprimir esta página

Alqueva

EDP investe 3,5 milhões de euros em nova central solar flutuante no Alqueva

EDP investe 3,5 milhões de euros em nova central solar flutuante no Alqueva Sol-lar
Regional 07 Jun. 2019

A EDP vai investir 3,5 milhões de euros num novo projeto de uma central solar flutuante na barragem do Alqueva, depois dos resultados do projeto-piloto no Alto Rabagão, no norte do país.

O novo projeto de quatro hectares está em licenciamento pela DGEG, estando o processo de avaliação de incidências ambientais a ser conduzido pela CCDR Alentejo.

Prevê-se que o licenciamento esteja concluído no final de setembro, sendo que a obra de instalação demorará cerca de um ano. A entrada em operação é esperada para 2020, informou a empresa em comunicado.

Realizados os estudos de viabilidade no Alto Rabagão, a EDP decidiu agora avançar para um novo projeto no Alqueva, mas com maior escala (4MW) e em complementaridade com uma central hídrica com sistema de bombagem, que permite a reutilização da água para geração de eletricidade.

O projeto implicará a instalação de 10.750 painéis, ocupando uma área de quatro ha (o equivalente a quatro campos de futebol), e terá uma produção anual estimada de 6 GWh, o suficiente para abastecer um quarto da população dos dois municípios da região (Portel e Moura).

Em novembro de 2016, a EDP investiu no projeto-piloto da central fotovoltaica flutuante do Alto Rabagão. “Com uma tecnologia pioneira a nível europeu, por testar a complementaridade entre a energia solar e hídrica, o projeto superou as expetativas, acumulando uma produção 6% acima do previsto desde o seu arranque e uma eficiência maior do que as soluções em terra, além de claros benefícios ambientais”, disse a elétrica no mesmo comunicado.

Este piloto no Alto Rabagão é composto por 840 painéis solares, que ocupam uma área de 2500 metros quadrados, têm uma potência instalada de aproximadamente 220kWp e uma produção anual estimada de cerca de 300 MWh. “A introdução de uma central fotovoltaica em grande escala hibridizada com a central do Alqueva permitirá a duplicação da energia escoada no mesmo ponto, sem necessidade de aumentar a capacidade da linha”, informou a EDP no mesmo comunicado. Além da hibridização do solar flutuante com a hídrica com bombagem, será também testada a combinação desta tecnologia com um sistema de baterias, o que permitirá criar o primeiro laboratório vivo do cruzamento de energias renováveis com armazenamento, antecipando novamente o futuro da produção de energia.