Desemprego

“Não deve haver maior desproteção dos contratos permanentes”, diz à RC Secretário de Estado do Emprego sobre proposta de flexibilização de Bruxelas (c/som)

Regional 16 Fev. 2018

Recentemente, Bruxelas tem vindo a efetuar recomendações ao Governo português, para uma maior flexibilização no que concerne aos contratos sem termo, visão rejeitada pelos partidos, que consideram que a mesma facilitará os despedimentos coletivos e promoverão a precariedade.

Sobre o assunto, em declarações à Rádio Campanário, Miguel Cabrita, Secretário de Estado do Emprego afirma que esta visão da Comissão Europeia “que insiste muito na dimensão da flexibilização […] não é a visão do Governo”.

O Secretário de Estado defende que estas recomendações de Bruxelas poderão, “de alguma forma, facilitar os despedimentos e diminuir a proteção dos contratos permanentes”, quando o que o Governo português objetiva, é a “proteção e a melhoria das condições daqueles que estão em situações mais precárias no mercado de trabalho” e o aumento do número de contratos permanentes. Desta forma, haverá um maior benefício “para as empresas, para as pessoas e para o próprio Estado”, defende.

Miguel Cabrita salienta que “neste momento, cerca de 2/3 dos novos subsídios de desemprego, são provocados pelo fim de contratos precários”.

Urge “olhar para o outro lado do problema” direcionando o caminho para a tentativa de diminuir o espaço social da chamada precariedade, incentivar cada vez mais contratos sem termo, sem diminuir a proteção destes”.

 

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Julho 2020 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31