Estremoz

Comandante do RC3 alerta para “desperdício de recursos” nos próximos anos, por ocasião do encerramento das comemorações dos 310 anos (c/som e fotos)

Reportagens 17 Nov. 2017

Teve lugar hoje, em Estremoz, a Cerimónia Militar das Comemorações dos 310 anos do Regimento 3 Cavalaria, seguida da palestra “Sul de Angola (1914-15)”.

Presente na cerimónia, Major-General Marco Serronha, Comandante das Forças Terrestres, reconhece ser este um dia importante para o exército, uma vez que, “em termos históricos” é “o regimento mais antigo em atividade”.

Contudo, o Regimento de Cavalaria 3 de Estremoz, enfrenta “desafios em termos operacionais” e necessita de melhorar “as capacidades das infraestruturas em termos de alojamento”, surgindo esta como “uma prioridade do exército”.

Apesar de os “recursos financeiros” não possibilitarem fazer “face a tudo ao mesmo tempo”, Major-General Serronha afirma que “intervenções que vão ter que ser feitas” no quartel de Estremoz.

As comemorações do aniversário, a decorrer desde 15 de setembro, terminaram “com a cerimónia militar”, explica Coronel Paulo Ramos, Comandante do Regimento de Cavalaria 3, em declarações à Rádio Campanário.

Atualmente, as problemáticas dos «Dragões de Olivença», avança, passam pela dificuldade da “manutenção da operacionalidade do esquadrão”, e pela “questão das instalações” que requerem “um investimento financeiro”.

Para o efeito, e questionado relativamente às medidas necessárias para resolver as problemáticas do regimento, Coronel Paulo Ramos aponta a necessidade de “sensibilização da estrutura superior do exército, para as duas preocupações” prioritárias.

Apenas através da melhoria das condições, afirma, “eles escolhem servir no Exército e nas Forças Armadas”.

Considerando todas estas dificuldades, inquirido relativamente à possibilidade de o Regimento de Cavalaria 3 extinguir o seu funcionamento, o seu Comandante nega a hipótese, reconhecendo sim que se possa vir a registar “desperdício de recursos”.

A atividade do Exército pode ser regida “de uma forma mais ou menos eficiente” aponta, “e normalmente, a não resolução destas questões, reflete-se no desperdício de recursos”.

Coronel Paulo Ramos afirma que “o grande fator de atratividade” do voluntariado “é o conforto que os jovens encontram nas unidades”. Uma vez que “os padrões de conforto exigíveis, não são compatíveis com o que se encontra nas unidades militares”, os mesmos não ingressam nas Forças Armadas, apesar de estarem “motivados para a missão das forças armadas”.

 

Últimas notícias

Histórico de Notícias

« Setembro 2020 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30