15.4 C
Vila Viçosa
Quarta-feira, Fevereiro 21, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Vidigueira: “o reconhecimento da “produção do Vinho de Talha” é uma grande conquista para o Alentejo” diz Pres. Da CM(c/som)

Tal como a Rádio Campanário noticiou, foi aprovada pela Direção Geral do património Cultural(DGPC) a inscrição no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial (INPCI) da Produção de Vinho de Talha.

A aprovação conta de um despacho de 28 de novembro de 2023, assinado pela subdiretora-geral do Património Cultural Rita Jerónimo.

Esta inscrição reconhece a importância da Produção de Vinho de Talha enquanto reflexo da identidade da comunidade envolvente e a sua profundidade histórica e evidente relação com outras práticas inerentes à comunidade.

A proposta de inscrição tinha sido apresentada pela Câmara Municipal de Vidigueira que se congratula agora com esta decisão. A Rádio Campanário falou com Rui Raposo, Presidente da Câmara Municipal que nos começou por referir “é para nós uma grande notícia pois há muito que vínhamos desenvolvendo este processo num estratégia muito bem definida.”

Rui Raposo esclarece ainda “ é um dia muito importância não só para o Município de Vidigueira mas para os 22 Municípios e sete entidades que estão connosco neste processo , e faz com que este processo tenha uma abrangência em todo o nosso Alentejo.”

O Autarca esclarece que o próximo passo será começar a preparar a candidatura à Unesco, para que este trabalho “possa depois ser reconhecido e conseguirmos esse galardão.”

A aprovação desta candidatura surge precisamente um dia antes de se iniciar mais uma edição da Vitifrades, a 25ª edição, um dos eventos que mais promove, preserva e divulga o vinho de talha. Sobre este facto Rui Raposo sublinha “é uma coincidência muito feliz porque este evento Vitifrades foi muito importante em todo este processo de candidatura.”

Esta inscrição no inventário Nacional do Património Imaterial Cultural é sem dúvida um um passo fundamental na estratégia desenvolvida pela autarquia para o reconhecimento desta prática identitária com a finalidade da sua candidatura a Património Cultural Imaterial da Humanidade, pela UNESCO.

Populares