12.6 C
Vila Viçosa
Terça-feira, Maio 21, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Vila Viçosa: Livro de investigação sobre “Lettres Portugaises” foi hoje apresentado (c/fotos)

O décimo segundo volume da coleção Livros de Muitas Cousas, com o título, As Lettres Portugaises da Biblioteca D. Manuel II – Colecções e Colecionadores”, da autoria de Marta Páscoa, foi hoje apresentado através da plataforma Zoom, numa organização da Fundação da Casa de Bragança.

Na intervenção de abertura, a Dr. Maria de Jesus Monje explicou que este evento se realizou online “dada a localização geográfica de Vila Viçosa”, porque “há sempre quem goste de participar e não pode fazer uma deslocação.”

Antes da apresentação, o Dr. Alberto Ramalheira, presidente do Conselho de Administração da Fundação da Casa de Bragança referiu que o “lançamento deste 12º volume da coleção dos livros de Muitas Cousas, confirma o propósito de divulgar estudos centrados na Casa de Bragança, nos seus ilustres representantes ou no seu património cultural.” Referiu ainda que “este décimo segundo volume, à semelhança dos iniciais da coleção, tem uma natureza caseira, visto que a sua matéria prima se encontra na biblioteca D. Manuel II e a autora é uma funcionaria superior da casa, a Drª Marta Páscoa, cuja capacidade de estudo e de investigação fica bem batente nesta investigação.”

Já o diretor adjunto da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, Maia do Amaral, referiu que já tinha tido a oportunidade de ler o livro várias vezes, explicando que “o livro está dividido em duas partes, a primeira aborda as Lettres Portugaises, do ponto de vista material,” ou seja, “é a história bibliográfica que é dissecada”, já na segunda parte “refere-se à autoria do texto e aos interesses variados.”

Sobre o livro, Maia do Amaral referiu que “é muito bem ilustrado e a paginação é muito cuidada”. Destacou ainda “o domínio que a doutora tem do latim, do francês e do inglês, que são ferramentas muito úteis para quem se mete nestes estudos.”

Maia do Amaral mostrou-se surpreso com a abordagem “desapaixonada” com que a autora redigiu o texto, sendo ela natural de Beja.

“Este livro dá conta de uma investigação inovadora muito extensa, é quase uma investigação policial,” acrescentando que “faz uma descrição primorosa, as frases são curtas e objetivas o que dão uma leitura muito fácil ao livro”, conclui Maia do Amaral.

Na intervenção da autora do livro, Marta Páscoa, referiu que o objetivo era “valorizar o exemplar e a coleção de D. Manuel II, dando uma contribuição na investigação da proveniência dos exemplares que ainda não está tão aprofundada.”

Sendo este um livro sobre um livro, e não sobre Mariana Alcoforado, a autora revelou que escolheu “Maia do Amaral para apresentar porque queria que fosse alguém da área das bibliotecas a validar este trabalho”.

Na sua apresentação, a autora explicou porque é que este livro é importante e que contributos traz à questão das Lettre Portuguaise. Segundo Marta Páscoa, a investigação foi feita com base numa nota, que indicou Mariana Alcoforado como autora das Lettre Portuguaise em 1802.

Recorde que Mariana Mendes da Costa Alcoforado foi uma freira portuguesa do Convento de Nossa Senhora da Conceição em Beja. Ela é considerada a autora das cinco Lettres Portugaises (As Cartas Portuguesas) dirigidas ao Marquês Noel Bouton de Chamilly, Conde de Saint-Léger e oficial francês, que lutou em solo português sob as ordens de Frederico de Schomberg, durante a Guerra da Restauração. A sua obra Cartas Portuguesas tornou-se um famoso clássico da literatura mundial.

Durante a sua investigação, Marta Páscoa conseguiu descobrir o livro que, alegadamente, contem a nota original, no entanto este terá sido leiloado em 2017 e continua com paradeiro desconhecido.

Para conhecer toda a história e todas as descobertas feitas pela investigação da autora, para já, o livro está disponível na Biblioteca da Fundação da Casa de Bragança. Mais tarde será disponibilizado nos locais habituais.

O livro vai ser apresentado presencialmente (sujeito a alteração) a 22 de janeiro na Biblioteca Municipal de Beja José Saramago.

Populares