34.8 C
Vila Viçosa
Segunda-feira, Junho 24, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Vila Viçosa: Não são muitos os jovens que se interessam por esta matéria, “mas são alguns e de qualidade”, diz Inácio Esperança sobre sessão do Parlamento dos Jovens (c/som)

Com o objetivo de promover a educação para a cidadania e o interesse dos jovens pelo debate de temas da atualidade, decorreu na manhã de terça-feira, dia 19 de janeiro, na Escola Secundária Públia Hortênsia de Castro de Vila Viçosa, uma sessão do Parlamento dos Jovem, onde os alunos puderam aprender como se discutem os assuntos no Parlamento, através do desenvolvimento de capacidades de argumentação, discutindo ideias com outros jovens, e ao mesmo tempo, terem um maior conhecimento dos Deputados, mulheres e homens que foram eleitos para representar os cidadãos portugueses na Assembleia da República (AR).

O programa Parlamento dos Jovens é organizado pela AR, em colaboração com outras entidades, culminando com a realização de duas Sessões Nacionais na AR, preparadas ao longo do ano letivo, com participação de Deputados, designadamente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, órgão parlamentar responsável pela orientação do programa. Todas as Escolas do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e do secundário são convidadas a participar.

Na sessão em Vila Viçosa, onde a Rádio Campanário esteve presente, Inácio Esperança, Presidente do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas do Concelho de Vila Viçosa, declarou que a sessão tem como função “ensinar aos jovens como é que se faz uma lei no nosso país e no fundo como é que os deputados promovem a negociação que leva à produção de leis, é muito importante para eles saberem como funciona o sistema politico e como é que somos governados, como se elege o Presidente da República, o Governo e os Deputados, e o Parlamento dos Jovens, que no fundo é um jogo, tem essa função”.

Questionado sobre se os jovens estão preparados e informados sobre estas questões, Inácio Esperança refere que “há jovens com mais aptidão para a política e para a causa pública e há jovens que estão um bocadinho mais alheados, de qualquer forma os que estão mais alheados têm nestes momentos a oportunidade de receber essa informação e essa formação, que é o objetivo”, acrescentando, “ não faz parte do currículo de nenhuma disciplina a organização do sistema político, (…) esta é uma boa forma de esclarecer e de fazer também um bocadinho de formação cívica aos nossos alunos”.

A concluir Inácio Esperança diz que não são muitos os jovens que se interessam por esta matéria, “mas são alguns e de qualidade”.

 

 
 

Populares