18.7 C
Vila Viçosa
Terça-feira, Junho 18, 2024

Ouvir Rádio

Data:

Partilhar

Recomendamos

Ai Weiwei, artista Chinês que encontrou a paz no Alentejo, prepara mostra épica em Montemor…

Ai Weiwei é um artista e ativista do mundo perseguido, detido, impedido de sair do país durante anos e torturado pelo regime Chinês – chegou a estar 81 dias detido pelas autoridades chinesas. Há dois anos escolheu o Alentejo para viver. Alega que não acredita que o Ocidente consiga parar o crescimento chinês. Explica que o motivo é: o capitalismo. Justifica a sua escolha por Portugal baseando-se na nossa meteorologia, segurança, no ritmo de vida e diz “aqui as pessoas são vagarosas, abertas e honestas, e eu gosto disso.”. Há dois anos que escolheu a calma do Alentejo e optou por Montemor-o-Novo pela sua natureza para o exílio.

À medida que se adapta à vida na fazenda, o artista se prepara para uma mostra épica de design que contará com 200.000 bicos de bules e jarros quebrados.
Ai Weiwei desenvolve o seu trabalho no enorme estúdio novo que está a construir no local onde se encontra, em Montemor-o-Novo a cerca de uma hora de carro de Lisboa. Não há outra casa à vista, apenas a paisagem verde e plana do Alentejo.

Tal como avança o The Guardian , o estúdio, explica o artista, é uma réplica do seu antigo em Xangai, que foi concluído em 2011 para ser quase imediatamente demolido pelas autoridades chinesas: oficialmente, porque infringia os regulamentos de planeamento; extraoficialmente, por causa das críticas francas de Ai ao governo.

Meses depois, o artista foi preso por três meses e depois colocado em prisão domiciliar. Quando seu passaporte foi devolvido em 2015, ele deixou o país e não voltou mais.

A estrutura de madeira articulada do estúdio baseia-se na arquitetura tradicional chinesa. Não é um trabalho fácil: sem pregos, sem cola e cada pedaço de madeira diferente.
Ai Weiwei , um artista com enorme projeção internacional , escolheu Alentejo como lugar de eleição e isso é bom para a imagem internacional de Portugal .
 

Leia a notícia completa em The Guardian

Populares